Secretário de Defesa Civil afirma que a Guarda Municipal será constituída em 2022

Por Assessoria

Na sessão ordinária desta segunda-feira, 1º , conforme requerimento 97/2021, de autoria do vereador Marcão Madeforte (Solidariedade) , utilizou a tribuna livre, o secretário municipal de Defesa Social, tenente-coronel Elias Ariel de Souza, a fim de falar sobre os projetos para a área da segurança pública.

Primeiramente, Elias falou que a Secretaria de Defesa Civil é uma grande expectativa e uma grande aposta. “Este primeiro momento é difícil, pois estamos tirando ela do zero, pois não existia, e temos muita coisa para fazer”, explica. O secretário, na oportunidade, detalhou cada um dos três órgãos que compõe a Secretaria Municipal de Defesa Civil: Diretran, Defesa Civil e Guarda Municipal.

DIRETRAN

De acordo com o secretário, é órgão mediamente estruturado e precisa realizar uma boa reestruturação, para pensar no trânsito da cidade do futuro, apesar da dedicação dos colaboradores. “Precisamos pensar na mobilidade urbana e pensar nas hierarquias, que devem existir numa cidade civilizada: o pedestre vem em primeiro lugar, os carros vêm depois. As pessoas com necessidades especiais devem ter a preferência no trânsito da cidade”, explica que essa vocação deve ser traduzida no planejamento de trânsito.

“Ainda temos em Cianorte, por mês, 1.200 a 1.300 notificações por avanço de sinal vermelho. Todo avanço de sinal é um risco a vida do próximo. É necessária uma mudança de cultura, por isso a educação de trânsito, a partir das crianças, já nas escolas, ou seja, formar as crianças e os jovens é uma das nossas prioridades, a fim de ter um trânsito seguro, racional e humanizado. Além de um processo de convencimento do condutor já habilitado, mas esse não precisa ser educado, não pode ser deseducado”, pontua o tenente-coronel, que não abrirá mão da fiscalização e da aplicação da lei, pois a lei serve para todos.

DEFESA CIVIL

Conforme o responsável pela pasta, ainda que tenha arrecadação em função da legislação proposta recentemente, o qual criou o Fundo da Defesa Civil, ainda é um órgão que precisa uma reestruturação completa para aplicar os recursos em: proteção e socorro para pessoas em situação de calamidade. “É uma boa arrecadação e um bom fundo. Nós podemos fazer muito mais pela cidade, com a aplicação consciente, coerente e transparente do dinheiro que cada cianortense paga, pois o poder público não faz nenhum favor em ser transparente”, salienta.

“Nós temos o recurso, mas ainda faltam materiais e recursos humanos. Os materiais estamos providenciando, e os recursos humanos trabalham junto com o Corpo de Bombeiros, que tem o papel de Coordenação da Defesa Civil Estadual. Assim, não teremos dificuldades sérias, caso tivermos calamidades, pois temos um bom recurso, inclusive, já conseguimos recursos da Defesa Civil Estadual como álcool em gel, máscaras e termômetros. Já fizemos a distribuição para a Saúde e para a Educação da cidade”, diz Elias.

GUARDA MUNICIPAL

Segundo o secretário, a Guarda Municipal não será constituída em 2021, mas não será por falta de vontade, mas, sim, em questão de ajustes orçamentários, pois a criação dessa estrutura implicará em aumento de despesa com pessoal. “Segurança Pública não é uma atividade barata, pois ela vai impactar de forma significativa nossas contas, mas nós somos saudáveis”, salienta.

“A Guarda Municipal não sai esse ano, devido uma vedação Federal de aplicação de recursos, em função do enfrentamento da Covid-19, ou seja, quando o governo repassou os recursos para os entes federativos, teve a contrapartida da proibição da contratação de novos funcionários, inclusive, a abertura de concursos públicos até dezembro de 2021 e só é permitida a contratação em caso de vacância, isto é, reposição de um cargo que já existe. Como não tínhamos Guarda, não há vacância”, justifica de Souza.

Ainda, de acordo com o tenente-coronel da reserva, esse tempo é fundamental para o planejamento da Guarda Municipal. “Precisamos pensar no tipo de formação (que será realizada de forma estadual), o tipo de equipamento que vamos trazer localização, integração, inteligência, tecnologia. Tudo isso pode ser pensado, preparado e discutido antes dos lançamentos dos editais para o ano vem”, pondera o secretário, que espera chegar 2022 com todas as burocracias e convênios resolvidos, como um presente de Natal para cidade.

PROJETOS

Na oportunidade, Elias Ariel de Souza os projetos da sua Secretaria ao longo dos anos. “Este ano, nós vamos priorizar a primeira parte do projeto da cerca digital, ou seja, a integração do sistema de trânsito com outros sistemas de proteção de trânsito e fiscalização, mais a instalação dos sistemas de câmera e vigilância pela cidade”, detalha o tenente-coronel que ficará à disposição das Policiais Civil e Militar.

Ele também comentou sobre a central de monitoramento e controle, onde câmeras terão respostas inteligentes a veículos furtados, roubados e identificação a pessoas foragidas.

“Estamos com alguns modelos, protótipos para instalar, o qual deveremos instalar um no final  do mês de março, na Rodoviária, e será um teste de uma Câmera de Reconhecimento Facial, a fim de cruzar bancos de dados com foragidos e criminosos”, pontua que será através de processo licitatório dentro da melhor tecnologia para a cidade.

“Assim, juntamente com a nossa Guarda Municipal em 2022, nós possamos executar, em  2023, o nosso Sistema Integrado de Segurança Pública Municipal. Um projeto inédito, pioneiro, nunca feito no Brasil, onde as forças trabalharam efetivamente, a partir de uma única proposta de unidade física, absolutamente integradas”, explica. “Dessa forma, caminharemos com uma situação muito melhor na segurança nestes 4 anos”, finaliza.

WhatsApp Tribuna de Cianorte

Receba as principais notícias de Cianorte e região no seu WhatsApp, basta acessar o link!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: O conteúdo é de exclusividade da Tribuna de Cianorte.