Plantio de soja é concluído, mas previsão de produção ainda é incógnita

Com uma média de chuvas entre 30 a 50 milímetros na região, durante o mês de outubro e novembro, o plantio de soja concluído. A área ocupada com a cultura ainda não foi calculada pelo Núcleo da Secretaria de Agricultura e Abastecimento (Seab) em Cianorte, mas até o dia 15 de outubro, o órgão estimava que apenas 5% da área prevista teria sido semeada.   

De acordo com o chefe do Escritório Regional da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento (Seab), Francisco Cascardo, a expectativa do produtor é que haja uma alta produtividade na colheita, apesar de ainda não ser possível prever produção e nem produtividade. “A produtividade ainda é difícil de prever. Só é feito isso quando a lavoura está instalada, ou seja, quando a plantio já passou as primeiras fazes de germinação. Ainda não temos uma estimativa, mas a expectativa está muito alta para a safra”, afirmou.

“Além disso, previsões de produção são realizadas conforme as lavouras vão se desenvolvendo, com base no estado vegetativo e fitossanitário, como estamos em pós-plantio não existe ate o momento nenhuma previsão de produção, que serão realizadas conforme o avanço da cultura”, esclareceu o chefe do Escritório Regional.

Segundo Cascardo, a chuva na região melhorou a condição das lavouras e irá colaborar com o desenvolvimento da cultura. “Melhorou muito para as lavouras que já tinham sido plantadas e as que faltavam, então a expectativa é de uma boa produtividade”, disse.

A previsão de colheita da safra 2020/2021 é para os meses de março e abril, depende do ciclo das lavouras. “A previsão é de que com as chuvas que ocorreram o plantio fique mais regularizado, assim como as condições da terra para colheita e novo plantio. Mas, obviamente, vai depender da continuidade das chuvas”, esclareceu Cascardo.

Segundo o chefe da Seab, os produtores tiveram dificuldades para fazer o plantio neste ano devido à estiagem, mas que foi possível conclui-lo e um tempo bom. “Tecnicamente é possível concluir o plantio da soja até dezembro, mas os produtores procuram antecipar para que depois de colhida seja plantado o milho safrinha”, afirmou. “Quando mais cedo planta a soja, mais cedo colhe e mais cedo planta o milho”, acrescentou.

Dessa forma, ao plantar o milho safrinha com mais antecedência, os produtores pegam dias mais longos e temperaturas mais quentes e propícias para o desenvolvimento da cultura.

“O grande jogo é esse. Plantar soja mais cedo para plantar a milho safrinha em um tempo bom. Ao plantar o milho mais tarde, acaba colhendo mais tarde, aumentando o risco, pois há dias mais curtos, temperaturas mais baixas e a possibilidade de pegar frio”, reforçou Cascardo.

Devido à seca, alguns produtores estão fazendo o replantio da soja, a chamada ressemeadura. “Alguns conseguiram plantar pela segunda ou terceira vez. Plantaram e não germinou a cultura, devido à chegada do período da seca. Alguns plantaram a soja novamente”, explicou o chefe. “Uns confiaram na continuidade da chuva e plantou em uma época de umidade boa, mas depois o clima não favoreceu, outros plantaram com pouca umidade, aguardando as chuvas, mas que não tiveram o volume necessário”, esclareceu.

Apesar do otimismo dos produtores com relação ao plantio da soja, é preciso que haja a regularidade da precipitação. “Se a chuva se regularizar, o potencial produtivo da safra deve crescer”, afirmou.

Simepar

De acordo com informações do Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar), até o momento foram registrados 81,4 milímetros de chuva na região. A média histórica local é de 150 milímetros.

Para o bom desenvolvimento da agricultura, as chuvas precisam ser mais regulares. Conforme o meteorologista, Reinaldo Kneib, a previsão atual segue o esperado pelo Simepar, dentro do esperado no início da primavera. “Ligeiramente abaixo e alguns pontos ainda mais seco. Dentro do esperado para a estação”, afirmou.

Segundo o meteorologista, no verão deve chover mais do que no período de primava, mas apenas disso ainda deve manter certa regularidade. “Serão aquelas chuvas de fim de tarde, pancadas em alguns momentos mais fortes, mas ainda regulares”, disse.

Nesta semana, o clima será quente e não há chuvas registradas. As máximas ficaram entre 35 a 37°C, e as mínimas entre 22 a 24°. As chuvas começam a aparecer em dezembro, quando também há uma queda nas temperaturas.

Soja representa 4% do valor bruto da produção agrícola

Em Cianorte, conforme dados da Seab, a soja representa 4% do valor bruto da produção agrícola, que totalizou R$ 713 milhões na safra passada. Ou seja, a soja presenta um total de R$ 28,5 milhões no município.

Na região a representação da soja varia muito conforme área e produção.  Em Japurá, o valor bruto da produção na safra 2019/20 foi de R$ 122 milhões, a soja é 20% da produção. Tuneiras do Oeste, dos R$ 218 milhões de valor bruto, 21% está ligado à produção da soja.

Em Guaporema, a soja representa 4% do valor bruto da produção que é de R$ 86 milhões. Já em Jussara, a soja representa 24% do valor bruto, que é de R$ 176 milhões.

WhatsApp Tribuna de Cianorte

Receba as principais notícias de Cianorte e região no seu WhatsApp, basta acessar o link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: O conteúdo é de exclusividade da Tribuna de Cianorte.