Chefe de divisão de Cultura usa a tribuna livre da Câmara

 Assessoria CMC

 Na sessão ordinária desta segunda-feira, 28, conforme requerimentos 364 e 431/2021, de autoria do vereador Marcos Madeforte (SD), utilizou a tribuna livre a chefe da divisão de Cultura de Cianorte, Paulla Braz Neves, a fim de falar sobre as atividades e projetos da sua pasta.

Primeiramente, Paula destaca que a cultura expressa o que cada pessoa é e a sua identidade. “Uma cidade que valoriza sua música, dança, história, artesanato, culinária, paisagens e seus ritos culturais tem mais chance de se desenvolver e se destacar”.

“Desde o início da atual Gestão, estamos focados em fazer a área cultural se desenvolver em todos os setores: o simbólico, o cidadão e o econômico.”, ressalta a chefe da Cultura.

No início do ano, a cidade foi contemplada com mais de R$ 598 mil, através da Lei Adir Blanc, viabilizando diversas atividades culturais.

“Desse valor, foi repassado mais de R$ 498 mil para os agentes culturais e ainda temos em caixa R$ 99 mil, que precisava retornar para o Governo Federal, mas estamos em trâmites para poder usar até o fim do ano”, diz Paulla que o auxílio emergencial será pago até quarta-feira, 30; já as novas inscrições para a segunda fase, vão até o dia 22 de julho.

Segundo ela, também no início do ano, foi feito um levantamento de artistas e seus segmentos para, a partir desses dados, pensar em políticas culturais que contemplem cada área. Foram analisados e mapeados os seguintes segmentos artísticos-culturais: música (51% dos inscritos); artes visuais (pintores, artistas plásticos e escultores) (21,6%); artes cênicas (teatro, circo) (18,3%); artesanato (17,6%); dança (13,1%); cultura popular e étnicas (folclore, capoeira) (8,5%); literatura (7,2%) e patrimônio cultural material e imaterial (5,2%).

“Esses dados nos surpreendem, principalmente, na questão das artes visuais, segundo colocado, pois imaginávamos que seria a dança nesta colocação. Assim, iniciamos a exposição no Hall da Prefeitura e pretendemos difundir ainda mais essa área”, pontua que quem quiser participar é só enviar um e-mail no [email protected], a fim de realizar agendamento.

Por fim, sobre a questão dos eventos tradicionais na cidade, como o Festival de Violeiros, Paula afirma que está pensando em formas viáveis e seguras para que aconteçam, a fim de preservar a saúde e segurança de todos. E a Biblioteca Pública Municipal está fechada, mas passa por um processo de informatização.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *