Unidades prisionais terão protocolo único de combate a incêndios

O Setor de Combate a Incêndio (SCI) e a Assessoria de Segurança do Departamento Penitenciário do Paraná (Depen) criaram o Protocolo de Emergência para Acionamento de Brigada Penitenciária. Com previsão de ser implementado em todas as unidades prisionais até o fim deste ano, o documento descreve como devem ser as ações de cada um dos setores em casos de emergência.

“O Departamento Penitenciário nunca contou com uma brigada de incêndio. Nós a criamos e fizemos o treinamento em todas as unidades, de forma unificada. Houve ainda a padronização das ações de combate a incêndio, para que tenhamos pessoal preparado, se vier ocorrer uma emergência assim”, afirmou o diretor geral do Depen, Francisco Alberto Caricati.

A Penitenciária Estadual em Francisco Beltrão, no Sudoeste, foi a primeira a implementar o projeto. “Esse procedimento foi desenvolvido para assegurar a prevenção ao combate ao incêndio em unidades prisionais do Estado, seguindo um protocolo de ações técnicas direcionadas a este fim. O padrão estabelecido deverá ser seguido em todas as unidades prisionais do Paraná, destacou o assessor de Segurança do Depen, Josielson Fabrício.

O acionamento da brigada de incêndio segue um protocolo geral que inclui, entre outros procedimentos, alertas sonoros, planejamento de escalas e divisão de funções, gestão de segurança e ativamento dos sistemas já existentes de combate a incêndio, como bombas, rede de hidrantes e extintores.

“O intuito do procedimento é padronizar o atendimento a tais situações e, desta forma, dar mais segurança a servidores e detentos, já que os procedimentos envolvem o combate ao incêndio e, também, o abandono dos locais e atendimento a feridos”, explicou o chefe do Setor de Combate a Incêndio (SCI), Alessandro Cidade.

Ele esclareceu que o treinamento se faz necessário para evitar danos irreparáveis às vidas envolvidas e, também, em segundo plano, às estruturas dos prédios. “A partir do momento em que o a gente souber do fogo, ele vai saber que precisa ligar para o Corpo de Bombeiros, acionar a direção da unidade, informar a inspetoria, que vai exercer o seu papel no protocolo, assim como os brigadistas penitenciários”, destacou.

O protocolo estabelece quatro passos básicos para que a emergência seja atendida de forma correta. “O plano é um norte para que não haja nenhum tipo de ingerência ou mesmo confusão generalizada, já que existe um escalonamento de funções e ações”, explicou Alessandro. “Com isso, independente de onde o servidor estiver atuando, ele vai saber exatamente como é o procedimento adotado, já que o programa a ser desempenhado será único”, completou.

Agentes brigadistas

Em todo o Estado, o curso de brigadistas penitenciários, promovido pelo Setor de Combate a Incêndio e pela Escola de Formação e Aperfeiçoamento Penitenciário (Espen), já capacitou 994 agentes. Durante o curso eles aprenderam a operar equipamentos, identificar produtos perigosos e a reconhecer seus riscos, além de prestar os primeiros socorros.

Vistorias 

No ano passado, as penitenciárias e cadeias públicas do Depen passaram por vistorias nos sistemas de prevenção e combate a incêndio, executando, por exemplo, o acionamento das bombas centrífugas e expedição por gravidade em sistemas de cisternas elevadas nos hidrantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: O conteúdo é de exclusividade da Tribuna de Cianorte.