Serviço de acolhimento familiar busca novas famílias para cadastro

Da Redação

O programa social Família Acolhedora, de Cianorte, precisa com urgência de novas famílias disponíveis para o acolhimento temporário de crianças e adolescentes. Hoje, 10 crianças e adolescentes estão à espera de um lar provisório, mas o número de famílias cadastradas necessárias é bem maior.

O programa acontece em residências de famílias previamente cadastradas e preparadas para a função de cuidar e proteger crianças e adolescentes, de 0 a 18 anos, que foram temporariamente afastados de suas famílias de origem por decisão judicial, até que possam retornar ao convívio de seus familiares ou serem adotados.

As famílias são acompanhadas pela equipe de Divisão dos Direitos da Criança e do Adolescente, recebem um curso de preparação, ajuda de custo, e são acompanhadas semanalmente por psicólogos e assistentes sociais, para garantir a segurança e o bom convívio entre a família e criança.

“O acolhimento familiar oferece um auxilio financeiro, uma bolsa auxilio, para essas famílias, mas é um trabalho voluntario não é um emprego, a bolsa é para ajudar nas despesas dessa criança”, explicou o assistente social, Jheymis Palpinelli.

Hoje, seis famílias estão habilitadas para o acolhimento, e duas delas com adolescentes. O número disponível é bem menor do que o necessário.  “Cada família cadastrada tem uma preferência por idade e situações, por isso é importantes várias delas dispostas a acolher, para que nenhuma criança fique sem lar”, explica Jheymis Palpinelli.

Rosiane Gomes, de 46 anos, participa do programa com o marido e acolheu duas irmãs no inicio de dezembro do ano passado. “Eu e meu marido tínhamos a vontade de fazer algo social, e sempre tivemos facilidade com adolescentes, além das irmãs que acolhemos temos uma filha na mesma faixa etária, e outro um pouco mais novo”, contou Rosiane.

Rosiane se cadastrou com a família há um ano e contou que o convívio com as meninas deve permanecer mesmo após o fim do acolhimento.

“Elas me dão trabalho como duas adolescentes normais, até o momento não tive dificuldades, quando elas forem seguir a vida delas, mesmo que saiam de casa, nosso laço e amizade vai continuar”.

É importante ressaltar que o acolhimento não é uma adoção. Caso haja determinação pela Justiça, a criança vai permanecer na fila de espera. A adoção segue trâmites legais próprios, enquanto o acolhimento familiar é temporário, feito por meio de termo de guarda provisória emitido pelo Poder Judiciário à Família Acolhedora.

 CADASTRO

Para que o cadastro seja aprovado é necessário que todas as pessoas que moram na casa estejam de acordo com o serviço. As famílias interessadas em participar do programa devem fazer um cadastro no site https://www.cianorte.pr.gov.br/acolhimento-familiar .

È necessário atender aos requisitos apresentados, que são básicos e essenciais. Após preencher corretamente e enviar o formulário de inscrição, a equipe vai entrar em contato com os candidatos.

O processo de cadastro e aprovação pode durar até 30 dias.

REQUISITOS PARA SE CANDIDATAR AO FAMÍLIA ACOLHEDORA

  • Ser maior de 18 anos;
  • Residir em Cianorte há mais de 02 anos;
  • Não estar habilitado ou em processo de habilitação para adoção, não ter interesse em adotar;
  • Ter a concordância de todo o grupo familiar em relação ao acolhimento;
  • Não ter nenhum morador da casa envolvido com uso abusivo de álcool, drogas ou substâncias assemelhadas;
  • Possuir espaço adequado na residência para acolher a criança ou adolescente;
  • Apresentar certidão negativa de antecedentes criminais do grupo familiar (maiores de idade);
  • Ter disponibilidade para participar dos encontros e atividades do Serviço.

WhatsApp Tribuna de Cianorte

Receba as principais notícias de Cianorte e região no seu WhatsApp, basta acessar o link!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: O conteúdo é de exclusividade da Tribuna de Cianorte.