Variedades

Universitária da UEM de Cianorte pesquisa e cria ‘moda inclusiva’

Carol levou cerca de três meses no processo de criação e confecção das peças

 

A acadêmica do 3º ano de Moda do campus da UEM de Cianorte, Caroline Veronez, encontrou inspiração em um segmento muito especial: a moda inclusiva. Foi após uma palestra realizada por Leny Pereira Gonçalves, a pioneira em Cianorte em relação ao tema, que Caroline conheceu um outro universo, distante das passarelas e dos balcões das lojas. “A professora do Senai me ajudou a enxergar um público em potencial e esquecido pelo mercado de moda, as pessoas com deficiência”, relembra Carol.

Na véspera do Dia das Crianças Carol foi levar até a pequena Ludymila, 10 anos, com paralisia cerebral, um presente personalizado. Foi a primeira vez que a garotinha usou um vestido ajustado às suas medidas. “As alças e os elásticos são reguláveis, a Ludymila vai poder usar a roupa por um bom período”, destaca. 

“A paralisia cerebral atinge vários níveis, afetando os membros de modo diferenciado, de acordo com sua intensidade”, explica Carol. Por isso as medidas simétricas de uma roupa comum necessitam de readaptações para um cadeirante, por exemplo. É o caso de Thiago A. F. de Soti, de 17 anos, que nasceu com hidrocefalia.  

A camisa é feita de tecido especial, com fibra de bambu. Fria no verão e apta ao inverno. Os botões de pressão na gola e laterais auxiliam no ato de trocar. A calça tem um tecido especial no abdômen e o cós é ajustado em tamanhos distintos.

Carol levou cerca de três meses no processo de criação, modelagem, protótipo e confecção das peças, após um ano e meio de estudos teóricos e práticos.  “É muito difícil trocar a roupa dele, pois ele é bem pesado. O Thiago não levanta o braço, as pernas são travadas. É um sacrifício danado”, conta a mãe do garoto, Maria de Fátima Ferreira de Soti. “Minha filha só vive de moleton e roupas largas”, explica a mãe de Ludymila.

Carol destaca que em termos de pesquisa o Brasil é um dos países mais avançados. Mas que isso não se reflete no mercado. “O custo é oneroso e o setor de confecções ainda não se voltou para esse segmento”.

Ambas as mães entrevistadas foram unânimes em afirmar que estariam dispostas a pagar mais por roupas que não apenas vestissem, mas que se adequassem a seus filhos. No exterior, as griffes portuguesa  WeAdapt e a francesa A&K Classics já enxergaram esse filão. 

Carol salienta que é grata aos mestres que alinhavam sua jornada acadêmica. “Muito obrigada por todo o incentivo, oportunidades, paciência e ensinamentos que me deram. Em especial a minha orientadora Silvia Bortoloto, meu co-orientador Ronaldo Vasques, e a Leny Pereira Gonçalves por ter me apresentado essa nova perspectiva da moda, que me motivou a continuar no curso”. 

Contato: https://www.facebook.com/caroline.veronez.5?fref=ts