Cidades

TJ condena empresário no caso Rose Leonel

O Tribunal de Justiça do Estado do Paraná (TJ-PR) condenou o empresário Eduardo Gonçalves da Silva por injúria e difamação qualificadas, por ter publicado na internet fotografias de momentos íntimos com a ex-namorada, a jornalista Rose Leonel. A decisão da 2ª Câmara Criminal manteve, em votação unânime, a sentença da 4ª Vara Criminal de Maringá.

Silva, que ainda pode recorrer, foi condenado a pena de 1 ano, 11 meses e 20 dias de detenção. A pena foi substituída pela prestação de serviços comunitários e pagamento à vítima de R$ 1,2 mil ao mês, pelo prazo correspondente à duração da pena de detenção. Ele foi procurado pela reportagem na tarde de ontem, mas não quis se manifestar.

A juíza substituta em 2º grau, Lilian Romero, relatora do processo, entendeu que as provas apresentadas são "fartas e robustas" para "demonstrar que o apelante foi o autor das postagens de textos e imagens".

Lilian afirmou que "o conteúdo dos textos (onde ela é reportada como prostituta que se expunha para angariar programas e clientes, havendo inclusive veiculação do telefone pessoal dela e nome da empresa onde trabalhava, entre outros) e das imagens (fotos da apresentadora nua ou seminua) inquestionavelmente destruiu a sua reputação tanto no plano pessoal, profissional como familiar, além de lhe ter ofendido a dignidade e decoro."

A magistrada destacou que Rose Leonel, em virtude dos fatos, perdeu o emprego e a guarda do filho mais velho. O empresário, na avaliação da juíza, divulgou o material, "de forma reiterada e continuada, com a clara intenção de arrasar com a reputação e atacar a dignidade, devassando a intimidade dela e atingindo inocentes, como os filhos dela".


Vítimas

"Às vezes, dormimos como nosso inimigo e não sabemos. Precisamos nos proteger", diz Rose Leonel, que faz planos para montar uma organização não governamental. O objetivo, segundo a jornalista, é ajudar mulheres que venham a se tornar vítimas de crimes na internet.

"Estamos reunindo pessoas idôneas que possam prestar apoio técnico, psicológico, enfim, dar uma ajuda que eu não tive." O trabalho vai ser divulgado no site www.roseleonel.com.br.

Entenda o caso
01/2006 - As fotos de Rose Leonel são divulgadas na internet.
02/2008 - Audiência é realizada no Juizado Especial Criminal.
05/2009 - Computadores do empresário são apreendidos e confirmam que ele foi o responsável pela divulgação.
06/2010 - Empresário é condenado em 1º instância.
08/2011 - Condenação é confirmada no TJ-PR.

"Fui assassinada"
Rose Leonel >> Jornalista e apresentadora de TV

O Diário - Você sente que a Justiça foi feita?

Sim. E agradeço a Deus por ter iluminado os juízes e autoridades judiciárias que trabalharam no caso. Eu perdi o emprego e fui desonrada. A condenação do meu ex é um alívio moral, um consolo mediante a violação que sofri.

O Diário - Qual foi o pior momento dessa história?

O pior foi ver o sofrimento dos meus filhos. Sofrer dói, mas ver seu filho sofrer por você é triste demais. Não conheço dor maior.


O Diário - Você perdeu, profissional e pessoalmente, com a difamação e a injúria sofrida. Conseguiu, 5 anos depois, recuperar todos os prejuízos?

Perdi o emprego, dinheiro, amigos e oportunidades. Perdi tudo, tudo, até a presença do meu filho, que foi morar fora do País. Sofri um processo de exclusão social e fui obrigada a um período de reclusão. Foi muito duro. Só Deus que me sustentou. Até hoje tenho pesadelos. Fui assassinada. Os danos são irreparáveis para mim, meus filhos e meus pais. (O Diário).