Educação

Saúde mental é tema de trabalho no Colégio Estadual Igléa Grollmann

Atividade faz parte do projeto “Identidade x Preconceito”, que visa acabar com o bullying e o preconceito em sala de aula
Alunos planejam as ações que serão apresentadas amanhã no Colégio Igléa (Foto: Divulgação )

Assim como cuidar da saúde física, o zelo pela saúde mental e emocional das crianças e adolescentes também é muito importante. Este tema, que ainda é visto como tabu pela sociedade, será discutido através de um trabalho que está sendo desenvolvido no Colégio Estadual Igléa Grollmann de Cianorte, envolvendo os alunos do 6º ano do ensino fundamental até a 3ª série do ensino médio.

O trabalho é uma das atividades do projeto “Identidade x Preconceito: as relações interpessoais e o sucesso escolar”, que existe há mais de oito anos e tem o objetivo de identificar qualquer tipo bullying e minimizar o preconceito no ambiente escolar.

A atividade será apresentada nesta quarta-feira, 13, em dois períodos: de manhã, das 8 às 10 horas, e no período da tarde, das 13h40 às 16 horas. Serão realizadas oficinas protagonizadas pelos alunos do 1º ano Sócrates e do 2ª ano Arquimedes, que serão mediados pelos professores. Os conteúdos programáticos são preconceito, políticas públicas e socioemocional.

“As competências socioemocionais incluem a capacidade que cada um tem de lidar com suas próprias emoções, desenvolver autoconhecimento, relacionar-se com o outro, ser capaz de colaborar, mediar conflito e solucionar problemas”, explica Ana Floripes Berbert Gentilin, professora de Apoio Educacional Especializado. “Durante a oficina haverá ações específicas para que os estudantes sintam na própria pele a experiência de estudantes com transtorno do espectro autista em ambiente ruidoso”, comenta o professor de Sociologia, Lucas Monteiro dos Santos.

Estão programadas também ações em que os estudantes serão motivados a falar sobre suas emoções.

"O fato é que, teoricamente, pode haver a aceitação de pessoas neuroatípicas, desde que não se mostrem como são, o que muitas vezes é impossível. Isso precisa ser discutido." Isadora de Fátima Ferreira, 14, estudante do 9º ano.

Outra ação que chama a atenção é que os alunos dos sextos e sétimos anos escreverão cartas para seus pais ou responsáveis. As correspondências serão entregues pelos Correios.

“No início do ano solicitamos aos estudantes que chegassem em casa e dessem abraços em seus pais e observassem a reação. Alguns não conseguiram e choraram quando nos informaram. Então, pensamos que ao escreverem as cartas manifestariam o seus sentimentos. As mesmas serão encaminhadas via Correio”, afirma Ana Floripes.

Em paralelo às atividades dinâmicas, os alunos realizarão pesquisas sobre a área da saúde mental com o objetivo de organizar as próximas oficinas, nas quais o tema será definido por meio dos dados levantados.

As disciplinas curriculares envolvidas são Filosofia, Sociologia e Educação Especial.