Polícia

Refém é liberado pelos presos da delegacia de Cianorte depois de 15 horas

Presos reivindicaram melhorias no local, que abriga uma quantidade de pessoas quatro vezes superior à capacidade
Equipes de polícia especializada da região também foram acionadas para auxiliar nas negociações com os presos rebelados (Foto: MÔNICA CHAGAS / TRIBUNA)

Por volta das 17h30 de terça-feira, os presos da 21ª Subdivisão Policial de Cianorte renderam um agente carcerário de 60 anos durante uma revista nas celas para verificar um possível túnel que seria utilizado para fuga. Segundo a Polícia Civil, o buraco estava semi-pronto e o plano dos detentos era tomar a carceragem e fugir durante a madrugada.

Após a tentativa de fuga frustrada, eles iniciaram a rebelião e a Polícia Militar foi acionada para dar suporte à ocorrência e isolar a área do entorno da delegacia. Equipes especializadas da Tropa de Choque e do Bope de Maringá também foram acionadas para auxiliar nas negociações.

“É protocolo da Polícia Militar que tão logo inicie uma situação como essa o Bope seja acionado. O Pelotão de Choque do comando da regional foi um dos primeiros a chegar ao local para subsidiar as informações do Batalhão de Operações Especiais e também auxiliar as equipes diárias na prevenção de uma possível fuga. Nós viemos com quatro equipes e fizemos nosso trabalho também com o apoio da Seção de Operações Especiais (SOE) de Maringá”, informou o tenente Rodrigues, da Troque de Choque da Polícia.

Com a mediação do representante da Comissão de Direitos de Humanos da OAB – Subseção de Cianorte, Marcos Rodrigues, a polícia negociou com os detentos até o início da madrugada, por volta das 2h30 da manhã, quando eles decidiram encerrar as negociações. Os presos prometeram libertar o refém e retomar a conversa pela manhã e pediram a presença da juíza Flávia Braga.

Segundo a polícia, as negociações foram retomadas às 7h40 de quarta-feira. A juíza solicitada e a promotora Elaine Lopo estiveram no local e acompanharam os trabalhos. Por voltas das 9 horas o agente carcerário foi liberado sem ferimentos e encaminhado ao Hospital Santa Casa para atendimento médico. Não houve feridos nem fugitivos e, à primeira vista, o prédio não foi depredado, como informou o delegado Ítalo Cesar Sega.

De acordo com o Departamento Penitenciário (Depen), cerca de 90 presos tiveram participação no motim, que ocorreu em duas das cinco celas da delegacia. Em nota, a Secretaria de Segurança Pública do Paraná (Sesp) informou que a equipe da Seção de Operações especiais (SOE) do Departamento Penitenciário (Depen) e a Polícia Militar (PM) do município fizeram uma vistoria do local e que o túnel encontrado foi concretado. O órgão também informou que um procedimento administrativo e um inquérito policial serão abertos para apurar o caso.

REIVINDICAÇÕES

De acordo com o comandante da 5ª Companhia Independente de Polícia Militar de Cianorte, major Silva Neto e com o delegado Ítalo Cesar Sega, os presos fizeram reivindicações genéricas por melhores condições, transferências e remoções de detentos e outras questões administrativas.

“Atendemos alguns pedidos pontuais. Mas explicamos que existem situações que nós podemos atender e outras que não cabe a nós decidirmos. Eles entenderam e acataram nosso pedido de liberação do refém e agora tudo será repassado para a Secretaria Estadual”, disse Silva Neto.

Depois da liberação do agente os presos foram retirados das celas para revistas e a equipe do SOE fez uma varredura no local para avaliar possíveis danos estruturais.

“Existe de fato um déficit de vagas no sistema prisional, mas esperamos que isso seja equacionado o mais breve possível. O posicionamento que recebemos do governo é de que medidas serão tomadas em breve para melhorar essa situação, que é crítica”, afirmou o delegado.

Esta foi a terceira tentativa de fuga frustrada somente este ano na cadeia de Cianorte. O local tem capacidade para 48 presos, mas abriga 201 atualmente. Conforme dados da Associação dos delegados de Polícia do Estado do Paraná (Adepol-PR), desde o início de 2018, 59 presos fugiram em todo o estado.

Ainda em nota, a Sesp explicou que “a transferência de presos para o sistema prisional é de competência do Comitê de Transferência de Presos (Cotransp), composto por membros do Poder Judiciário, do Ministério Público e do Departamento Penitenciário” e que “a autorização para retirar presos das delegacias é do Cotransp, não da Sesp”. Segundo o órgão, por semana são transferidos até 100 presos das delegacias para o sistema prisional.