Polícia

Rebelião na cadeia de Cianorte termina com transferência de presos

Movimentação começou por volta das 11 horas e foi encerrada no final da tarde com reforço policial
A Tropa de Choque e o SOE de Maringá ajudaram a conter os detentos (Foto: MÔNICA CHAGAS / TRIBUNA)

A rebelião desta terça-feira (18) na Cadeia Pública de Cianorte demorou cerca de quatro horas para ser totalmente controlada. A Polícia Militar foi acionada a comparecer na delegacia por volta das 11 horas, depois de uma confusão entre um detento e um agente carcerário. Segundo a PM, cerca de 80 presos depredaram a parte interna da carceragem e derrubaram duas das três portas que os seguravam.

Policiais de Cruzeiro do Oeste, Campo Mourão e Maringá foram acionados para auxiliar na contenção dos presos, além de equipes da Seção de Operações Especiais (SOE) do Departamento Penitenciário (Depen) e da Tropa de Choque. Cerca de 90 agentes entraram na cadeia para normalizar a situação, o que ocorreu por volta das 15 horas. Uma operação “bate grade” foi iniciada logo depois para a apreensão de possíveis armas, drogas e outros objetos.

O comando da 5ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM) de Cianorte não deu declarações à imprensa. O delegado responsável pela 21ª SDP, Marino de Oliveira, não atendeu às ligações da equipe de reportagem da Tribuna.

Durante a rebelião, a cadeia estava com 190 presos. O número é quatro vezes maior do que a capacidade considerada pela Secretaria da Segurança Pública do Paraná (Sesp), de 44 detentos. No dia 26 de agosto deste ano, sete detentos conseguiram fugir da delegacia. O local estava com 210 presos.

Na época, a Sesp afirmou que iria transferir detentos que cometeram crimes com menor potencial ofensivo. Ontem (18), o Núcleo de Comunicação da pasta confirmou que “foi autorizada a transferência de cinco detentos para uma penitenciária”. Por meio de nota, a Secretaria também informou que “toda e qualquer transferência de presos precisa de autorização da Vara de Execução Penal (VEP)”.

Segundo a Sesp, o motivo para o início da rebelião e um possível disparo de arma de fogo serão investigados pela Polícia Civil. O órgão também não soube precisar quais foram os danos estruturais causados pelos presos e afirmou que não recebeu informações de feridos com gravidade.

REGIÃO

Uma rebelião na cadeia de Umuarama também foi registrada ontem e resultou na morte de um detento de 40 anos. Ele foi encontrado com marcas de agressão no rosto e com uma corda enrolada no pescoço depois que policiais militares controlaram a movimentação dos presos. A vítima estava presa por tráfico de drogas, mas também tem relação com casos de estupro. (Com informações Massa News).