Política

Ratinho Junior prepara agenda para 2018

De volta a Assembleia Legislativa, ex-chefe da Sedu comemora bons resultados e fala do futuro
Ratinho Junior deixa como legado o resultado de uma gestão focada na melhoria da qualidade de vida dos moradores do Paraná (Foto: Vilmar Monteiro)

O deputado Ratinho Junior (PSD) reassumiu nesta terça-feira, 12, o mandato na Assembleia Legislativa e já adiantou que vai se dedicar na construção de uma agenda política para as eleições de 2018. "É um novo tempo marcado pela intensidade da ação, modernidade e inteligência coletiva. Isto com muito diálogo e determinação de continuar trabalhando para promover o desenvolvimento do Paraná. A determinação de fazer mais e melhor", disse Ratinho Junior que passa a liderar os 13 deputados do PSD e PSC, a maior bancada do legislativo.

Ratinho Junior disse ainda que alia a capacidade do gestor público, pois ficou quatro anos à frente da Secretaria de Desenvolvimento Urbano, com a experiência no setor privado. "Tenho o compromisso de oferecer uma nova opção. Minha geração tem a obrigação de assumir e participar de forma ativa na gestão pública em todas as áreas e de apresentar uma alternativa que se baseia na eficiência e um modelo de estado mais enxuto, porém mais presente", adiantou em conversa com a imprensa. 

"Vamos planejar as ações de forma coletiva, sem os ventos do atraso, e com a clara opção pelo conhecimento, inovação e a valorização das boas práticas e das boas causas pelas quais valem trabalhar", completou.

3,2 MIL OBRAS

Nos quatro anos na Sedu, Ratinho Junior afirmou que deixa como legado o resultado de uma gestão focada na melhoria da qualidade de vida dos moradores de cada um dos 399 municípios paranaenses. "Entre março de 2013 a agosto de 2017 foram 3,2 mil obras urbanas realizadas pela Sedu, o maior acervo da história do Paraná, e investimentos de R$1,7 bilhão".

O deputado sustenta que nestes quatro anos, a Secretaria de Desenvolvimento Urbano tornou-se referência em gestão e sinônimo de eficiência no desenvolvimento de projetos para os municípios. "Junto com uma equipe qualificada, intensificamos a parceria com as prefeituras e os prefeitos, diminuindo o prazo entre a compreensão da demanda e a ação transformadora. Reduzimos a burocracia e trouxemos agilidade na definição de prioridades e na busca e entrega de recursos", disse.

REFERÊNCIA

O trabalho realizado pela Sedu nos quatro anos, segundo Ratinho Junior, colocou o Paraná á frente de outros estados na aprovação de financiamentos junto à Secretaria do Tesouro Nacional. "No ano passado, o Paraná ficou com 40% dos recursos liberados pela STN. E neste ano, já alcançamos R$ 110 milhões em financiamentos para vários municípios. Esta marca representa 35% dos recursos em todo o Brasil e confirma a eficiência da Sedu e do Paranacidade".

Ratinho Junior disse que a “expertise” da Sedu se tornou referência para países, municípios e estados como Santa Catarina, Amazonas, a prefeitura de Porto Velho e até mesmo outros países como Panamá, Peru e Angola. "O mais importante deste legado é o significado prático dos investimentos e a cultura de valorização desses recursos. São recursos para obras que impactam diretamente na vida dos paranaenses porque se traduzem em mais desenvolvimento e bem-estar social às cidades atendidas".

"Estas demandas não podem esperar. Tem que ser atendidas com eficiência e agilidade e devem se estender ao maior número possível de municípios. Sem distinção. Porque esta é a missão e o fundamento do serviço público", completou.

Carlos Massa ou Ratinho Jr?

A resposta de Ratinho Jr à pergunta é rápida: os dois, diz ele. Ora, pois, seu nome é Carlos Massa, como o do pai. Mas ele herdou também o apelido, Ratinho, que no seu caso virou Junior. E se diz muito orgulhoso disso, ressaltando as qualidades do apresentador de TV, que saiu do zero ao sucesso que lhe permitiu ser hoje o proprietário de uma rede estadual de TV, a Rede Massa, e manter um programa de auditório em rede nacional que alcança índices de audiência significativos. “Tudo feito pelo trabalho e pelo talento de meu pai”.

Mas ele também explica que o apelido é afetuoso e usado nos círculos de amizade e de seguidores, por isso foi incorporado ao nome para uso eleitoral. O que ele pondera é que para as relações institucionais, a vida pública, ele não assina com apelido, aí vale o seu nome de batismo, Carlos Massa Jr. E é assim que pretende ser tratado nesse plano.