Polícia

Quarta vítima de queda de avião em Cascavel morre em hospital

De acordo com nota oficial do hospital, óbito da vítima, de 53 anos, foi constatado às 21h10 de segunda-feira (18)
(Foto: MONTAGEM/RIC MAIS)

A quarta vítima da queda de avião em Cascavel, no oeste do Paraná, morreu no Hospital Universitário na noite desta segunda-feira (18). O marido de Graziela de Souza Philippi e a filha morreram no momento do acidente aéreo.

De acordo com nota oficial do hospital, óbito da vítima, de 53 anos, foi constatado às 21h10.

“Graziela de Souza Philippi deu entrada na emergência do HU às 18h30 de domingo (17), com politraumatismo, passou por procedimentos cirúrgicos de alta complexidade, mas não resistiu à gravidade do quadro.”

O corpo da vítima, de 53 anos, foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML). Ainda não há informações sobre o velório.

Testemunha escutou motor de avião desligando

“Eu estava mexendo com abelhas, há uns 500 metros daqui e só ouvi o barulho que apagou o motor da aeronave e escutei o estrondo do avião na mata. Chamei um amigo para vir aqui e me ajudar a prestar os primeiros socorros”, contou o apicultor Selonir da Silva.

Em seguida, ele contou para o portal CGN que encontrou o avião completamente destruído e a mulher do médico, Graziela de Souza Philippi, caída ao lado dos escombros.

Vítimas do acidente da queda de avião em Cascavel:

  • Magnus Boeno Padilha, de 32 anos, morreu no local;
  • Eduardo Frederico Borsarini Philippi, morreu no local;
  • Fernanda Philippi, de 12 anos, morreu no local;
  • Graziela de Souza Philippi, morreu no Hospital Universitário um dia depois;

Família de médico voltava de feriado

O avião de pequeno porte caiu em uma área de mata, próxima uma pista de pouso e decolagem, às margens da PR-486, no distrito de Espigão Azul. A família Phillipi seguia de Santa Catarina para Cascavel depois de passar o fim de semana em Santa Catarina.

Monomotor V35B não tinha autorização par táxi aéreo

O PT JQZ modelo V35B da fabricante Beech Aircraft voava em baixa altura quando sofreu a queda.  A investigação deve apontar o que promoveu o acidente, se foi falta de combustível, falha mecânica, ou até mesmo uma pane elétrica.

No entanto, não há prazo determinado para que sejam concluídos os laudos, já que a apuração depende exclusivamente da complexidade da queda de cada aeronave. O avião de fabricação americana não tinha autorização para táxi aéreo.