Cidades

Poucos professores e servidores do IAP cruzam os braços no 1º dia de greve

De acordo com o Núcleo de Educação, adesão foi de 14,65%; APP fala em 35%
Professores e funcionários se reuniram na Praça Moraes de Barro na manhã desta terça-feira. (Foto: Martins Neto / Tribuna de Cianorte)

A greve dos servidores estaduais iniciou nesta terça-feira, 25, com baixa adesão em Cianorte. Apenas alguns professores e funcionários da APP-Sindicato e do Escritório Regional do Instituto Ambiental do Paraná (IAP) aderiram ao primeiro dia de greve.

De acordo com o Núcleo Regional de Educação de Cianorte, os estabelecimentos de ensino da cidade e da região foram pouco afetados pela paralisação, já que a maioria dos servidores trabalhou normalmente e não houve registro de paralisação total nos colégios com professores adesistas. Conforme  um levantamento feito pela reportagem da TRIBUNA DE CIANORTE, nenhum outro serviço público foi afetado pela manifestação na Capital do Vestuário. A expectativa, porém, é que haja um aumento nas adesões ao decorrer da semana.

Segundo o NRE de Cianorte, dos 1,5 mil servidores da  educação na região, apenas 233 (14,65%) não trabalharam.  

Já a APP-Sindicato em Cianorte informou que pouco mais de 35% dos estabelecimentos abrangidos pelo núcleo aderiam à greve de forma parcial. Ainda de acordo com o sindicato, a expectativa é que o número aumente já nesta quarta-feira, 26.

Durante a manhã, professores e funcionários se mobilizaram na Praça Moraes de Barros, no centro da cidade. À tarde, as atividades foram na APP-Sindicato. Membros da diretoria também realizaram visitas nas escolas da região.

A principal reinvindicação do funcionalismo é com o falta de pagamento da data-base de 2019. Os servidores públicos do estado pedem uma recomposição salarial de 4,9% relativos aos últimos 12 meses da inflação. Por sua vez, o governo alega não ter condições de dar o reajuste.

O QUE DIZ O GOVERNO

O líder do governo na Assembleia Legislativa, deputado Hussein Bakri (PSD) informou ontem, 25, que o Executivo está aguardando decisão do Fórum das Entidades Sindicais (FES) sobre a proposta de suspensão temporária da greve para reabrir negociações com os servidores sobre o reajuste salarial do funcionalismo público estadual. A proposta foi feita na noite de segunda-feira, 24, em reunião entre representantes do governo e do FES no Palácio Iguaçu.

“O governo foi muito claro. O governo fez a seguinte proposta: não conversa com greve em andamento. O governo oficializou que se houver a suspensão da greve por uma semana, ou dez dias, retoma as conversas, as negociações para poder avançar”, disse Bakri. “A resposta não foi recebida ainda”, afirmou o líder governista.

“O governo disse e reafirma que em estado de greve ou em greve, não dialoga. Porque o governo entende que a greve é o último recurso. Principalmente se levando em conta que estamos com cinco meses de mandato”, alega o deputado

A direção do FES divulgou nota confirmando a proposta de suspensão da greve, mas afirmou que no entendimento da entidade, “os prazos já inspiraram, pois desde março o governo promete apresentar propostas aos servidores, o que não aconteceu até o momento”. O fórum marcou reunião do comando estadual da greve para amanhã de manhã para avaliar o movimento e definir estratégias. (Com informações Bem Paraná)