Cidades

ONG se desculpa e retira reportagem sobre estrada Jambers de seu site

Presidente da Anda informou através de nota que já excluiu jornalistas da lista de colaboradores da organização
Obras de infraestrutura na Estrada Jambers serão iniciadas hoje (Foto: Martins Neto / Tribuna de Cianorte )

Menos de 24 horas depois de publicar em seu site uma reportagem que indicava que o empreendimento imobiliário Forest Hill não tinha autorização nem liberação para ser construído porque a estrada Jambers, via que será utilizada para dar acesso ao loteamento teve suas obras de infraestrutura urbana embargadas, a ONG denominada Agência de Notícias dos Direitos dos Animais (Anda) retirou o texto da sua página e fez uma retratação sobre o caso.

A presidente e fundadora da ONG, Silvana Andrade, através de nota encaminhada à direção da Ancare, incorporadora responsável pelo empreendimento, comunicou que a retirada da reportagem do site, e a exclusão das duas jornalistas que assumiram a autoria do texto do quadro de colaboradores da agência.

Na mesma nota, Silvana Andrade explica que foi procurada pelas duas profissionais e por um advogado, que garantiram a veracidade de todas as informações contidas na matéria. Porém, além de não apresentar documentos comprobatórios sobre as graves acusações que fez como o embargo das obras, a reportagem também não consultou órgãos de fiscalização, como o Instituto Ambiental do Paraná (IAP), tampouco a Prefeitura de Cianorte, que autorizou não só o empreendimento como as obras de infraestrutura da Estrada Jambers.

A reportagem ainda deixou de ouvir a Ancare, garantindo-lhe o direito ao contraditório, preceito básico do jornalismo profissional. Para a Silvana Andrade, diante da dúvida sobre a credibilidade do texto enviado à redação da Anda, e logo após a repercussão de reportagem da TRIBUNA DE CIANORTE em seu site, que apresentou provas de que a via poderia receber infraestrutura urbana, o mais sensato foi retirar o texto anterior do sei da agência para não induzir os leitores ao erro. “Nosso trabalho é totalmente pautado pelo profissionalismo e honestidade. Nunca em toda nossa história publicamos fake news ou estivemos envolvidos em situação como essa”, diz um trecho da nota encaminhada à direção da Ancare.

A nota da Anda é encerrada com um pedido de desculpas. “As jornalistas envolvidas estão definitivamente excluídas da nossa lista de colaboradores e fontes da Anda. Pedimos desculpas pelos transtornos e desejamos que desta forma a situação esteja solucionada”, encerra a nota.

Nesta terça-feira, 10, o escritório de advocacia que representa a Ancare informou que vai ingressar com uma representação criminal contra todos os envolvidos. De acordo com o escritório CM Advocacia, não só as jornalistas já foram identificadas, mas também a quem interessava a publicação do fake news. “ Todos vão responder civil e criminalmente pela publicação”, disse ontem um dos advogados do escritório. De acordo com a CM, a reportagem foi criada com o único e exclusivo objetivo de prejudicar o empreendimento Forest Hill.

AS OBRAS

Também ontem, a direção da Ancare informou que deve iniciar ainda hoje as obras de infraestrutura urbana previstas na Estradas Jambers. O projeto original prevê, além do asfaltamento da estrada, a construção de faixas de ciclovia (do lado direito da via), pista de caminhada (lado esquerdo), monitoramento por câmeras, iluminação em led, galerias pluviais, além de duas passagens subterrâneas para a travessia de animais silvestres. Como se não bastasse todas essas obras, a estrada ainda vai ganhar no seu trecho final um jardim horizontal com espaço para área de descanso, lâmina de água e esculturas em madeira, pista de corrida e área para alongamento, além de espaço para crianças. Depois de pronto o local poderá ser frequentado por toda a população. 

As obras de infraestrutura na Estrada Jambers fazem parte da contrapartida urbana oferecida pela incorporadora Ancare, responsável pelo empreendimento imobiliário Forest Hill. O residence resort será construído na margem esquerda da estrada, em uma área adquirida pela incorporadora. A estrada corta a gleba que antes pertencia a CIA Melhoramentos e que com o projeto de urbanização (a via possui matrícula própria) daquela região precisará receber infraestrutura adequada.