Cidades

Mortes no trânsito sobem 60% em Cianorte em 2017

Nas rodovias, números de acidentes e mortes caíram com a diminuição do fluxo de veículos
Imprudência e desrespeito à sinalização são as principais causas de acidentes dentro do perímetro urbano (Foto: ARQUIVO TRIBUNA )

A Polícia Militar divulgou, nesta semana, o balanço de ocorrências de trânsito registradas em Cianorte durante o ano passado. Ao todo, foram 697 acidentes no período, sendo 434 com vítimas, 70 sem vítimas e 193 registrados pela internet. Em 2016, foram 723 ocorrências ao todo, sendo 443 com feridos, 90 sem feridos e 190 notificados pela internet.

Apesar da queda no número de acidentes, as mortes subiram 60% na comparação entre os dois anos. Em 2016, foram quatro óbitos no trânsito, um no local e três posteriormente; já no ano passado foram 10 mortes, duas no local e oito depois. De janeiro a julho de 2017, a PM registrou a média de uma morte por mês no trânsito cianortense.

Segundo o subcomandante da 5ª Companhia Independente de Polícia Militar, capitão Cláudio Roberto Longo da Silva, o número de mortes em acidentes dentro da cidade no primeiro semestre do ano foi atípico. Para a 2° tenente e comandante do Pelotão de Trânsito da PM, Mayara Gregarek, o principal motivo da violência no trânsito local é a imprudência. “Registramos acidentes com motocicletas e bicicletas toda semana. No geral, a maior causa é o excesso de velocidade aliado à falta de atenção. Outros fatores são ausência de equipamentos de segurança e ultrapassagem do sinal vermelho”, afirma.

RODOVIAS

Nas estradas locais, as estatísticas são mais positivas. Os acidentes caíram de 304 em 2016 para 255 em 2017. O número de feridos também diminuiu, de 264 para 196 e as mortes caíram praticamente pela metade, de 25 em 2016 para 13 no ano passado. Os dados são da Polícia Rodoviária Estadual (PRE) de Cianorte, que abrange 10 municípios, compreendidos entre a ponte do Rio Ivaí e o trevo de Tuneiras do Oeste.

De acordo com o comandante do posto local, subtenente Antônio Sérgio Dinardi, dois fatores são responsáveis pela queda nas ocorrências do ano passado. “O fluxo de veículos diminuiu na PR-323, principal via da região, porque muitos motoristas estão preferindo outras estradas e os que trafegam por ali estão diminuindo a velocidade, já que a rodovia não está em boas condições. Além disso, a crise econômica fez com que o movimento diminuísse nas estradas em geral”, afirmou. Ainda segundo o comandante, das 13 mortes registradas pela PRE, sete foram na rodovia PR-082.   

O Corpo de Bombeiros e as polícias Militar e Rodoviária orientam os motoristas a dirigirem com cuidado e prudência, sempre respeitando a velocidade e a sinalização de trânsito, principalmente em condições adversas, como em vias esburacadas, estradas de pista simples, em dias chuvosos e à noite.