Cotidiano

Moraes Barros: a família que desbravou Cianorte

Conheça a história de Antonio de Moraes Barros e seus descendentes, que vivem até hoje na cidade

Neste domingo a Tribuna continua com a missão de mostrar quem foram as pessoas que receberam homenagens em logradouros públicos em Cianorte. Hoje vamos falar da família Moraes Barros, que deu nome à praça localizada no cruzamento das Avenidas Souza Naves e Maranhão, no centro da cidade. Não há registros de quando a praça foi nomeada, porém estima-se que tenha sido na década de 60. As informações desta reportagem são da historiadora Izaura Aparecida Tomarolli Varella e estão descritas nos livros “Caminhos da História” e “Cianorte Clube – 50 anos de história”, ambos de autoria dela.

Não temos como falar do surgimento de Cianorte sem falar da família Moraes Barros. Antonio de Moraes Barros foi o advogado que negociou a compra de terras no Paraná, que pertenciam aos ingleses, através da Companhia de Melhoramentos Norte do Paraná (CMNP). Foi o primeiro presidente e coube a ele garantir a legitimidade dos títulos das terras aos futuros compradores. Pai de Hermann de Moraes Barros, que foi diretor geral da Companhia, Antonio nasceu em 5 de julho de 1870 e faleceu em 2 de agosto de 1931. “Tinha uma concepção muito especial de honra privada e pública, enorme zelo profissional e grande probidade, em coisas grandes e miúdas, assim como ao atender os interesses alheios e ricos, pobres, remediados, de forma igual e linear”, descreve a historiadora no livro “Caminhos da História”.

Porém quem merece lugar de destaque no surgimento de Cianorte é o neto de Antonio, o Dr. Paulo de Moraes Barros Neto, que chegou aqui para ficar e até hoje vive entre nós. “Ele herdou do avô as mesmas qualidades intocáveis de caráter e honradez. Hoje, com quase 90 anos, o Dr. Paulo merece ser lembrado pelos feitos grandiosos na cidade”, contou Izaura Varella.

Conforme descreve no livro “Cianorte Clube – 50 anos de história”, o Dr. Paulo de Moraes Barros Neto veio de São Paulo logo no início do surgimento da cidade. “Ele participou de um churrasco de inauguração de Cianorte, realizado em 1953, na onde hoje é a Avenida Santa Catarina”, relembra a historiadora. Engenheiro Agrônomo, Moraes Barros Neto tinha grandes responsabilidades administrativas e comerciais na Companhia de Melhoramentos. Coube a ele a tarefa de abrir e administrar frentes de colonização em Cianorte. “Ele é casado com Helena Rocha Cunha de Moraes Barros. A dona Helena é uma das fundadoras da APMI [Associação de Proteção à Maternidade e Infância] juntamente com Luiza Lúcia Ruffini Varella, esposa do primeiro prefeito municipal”, completou Izaura. No livro consta que “Dona Helena não só participou das primeiras obras sociais como também teve grande interesse pelas peças arqueológicas que foram encontradas nas derrubadas das mata na nossa região”.

Dentro da Companhia de Melhoramentos Norte do Paraná, Dr. Paulo é sempre lembrado pela competência. “Os lotes de terra eram divididos em cinco, dez e quinze alqueires cada um, todos servidos por estradas de rodagem abertas pela própria companhia. (...) .Esta repartição de terras também criou condições para que a iniciativa privada, aproveitando o rico solo da nossa região, em alguns lugares mesclado com terra roxa, usado adequadamente, pudesse beneficiar toda uma coletividade formada por homens e famílias corajosas que adentraram e ocuparam a área pela primeira vez. Foi com esse espírito de luta, de conquistas, de busca do sucesso e progresso não só pessoal, mas de toda a comunidade que nasceu Cianorte, no meio da mata”, está escrito no livro.

Para a historiadora Izaura, a palavra que define o Dr. Paulo de Moraes Barros Neto é honestidade. “Aqui não tinha posseiro. No desempenho do trabalho dele, Dr. Paulo merece muito destaque. É uma pessoa absolutamente honesta, não houve casos de invasões, de contestações de terra. É um homem íntegro, foi engajado com a Companhia. Ele e a esposa saíram de São Paulo para vir para um lugar que não tinha nada e mesmo assim desempenharam esse papel tão importante da história de Cianorte”, avalia.

Com o passar dos anos, a história dos Moraes Barros foi caindo no esquecimento. Registros públicos mostram que em 3 de julho de 1974, o Doutor Hermann Moraes Barros, filho de Antonio, recebeu o título de “Cidadão Honorário de Cianorte”. Já o reconhecimento ao Dr. Paulo só veio em 2003, quando ele foi considerado “Cidadão Benemérito de Cianorte”.

Talvez agora, quando você passar pela Praça Antonio de Moraes Barros, lembre-se de como a atuação dessa família foi importante para a história de Cianorte.

Praça Antonio de Moraes Barros

Praça Antonio de Moraes Barros

Crédito: FOCO IMAGENS AÉREAS

Agradecimentos:

Mais uma vez deixamos um agradecimento especial à historiadora Izaura Varella, que tem dedicado atenção especial a esse projeto da Tribuna. E também a equipe da Foco Imagens Aéreas, que fez essa imagem tão bonita da Praça Antonio de Moraes Barros. Obrigada!