Polícia

Justiça determina que Juninho Riqueza pague pensão mensal de R$ 5 mil à filha de Daniel

A filha de Daniel atualmente tem dois anos e sete meses
(Foto: Franklin de Freitas/Folhapress)

No pedido, é justificado que a menina dependia financeiramente de Daniel, “que custeava todas as suas despesas com escola, alimentação, lazer, vestuário, transporte, saúde, cursos”.

De acordo com a advogada Giuliana Pitthan, o objetivo é garantir os alimentos da filha de Daniel. “A mãe não trabalhava para cuidar da filha, integralmente. Essa menina dependia exclusivamente do Daniel e a vida dele foi ceifada, sendo que a responsabilidade tem de cair sobre os réus. Em um primeiro momento, foi determinado que Edison Brittes pague esse valor até a sentença final, quando será decidido se os réus responderão solidariamente (todos juntos) ou apenas ele ficará responsável”, disse.

Segundo a decisão, o valor de R$ 5 mil deverá ser pago todo dia 10.

Edison Brittes está preso na Penitenciária de Piraquara. Segundo a advogada, ele será citado e terá um prazo para cumprir. “Se ele não cumprir, a dívida só irá aumentar. A criança necessita dos alimentos com máxima urgência, mas não sabemos se isso irá acontecer rapidamente, até cremos que não. Nessa circunstância, a criança passará pelas privações”, comentou.

Para tentar uma garantia do pagamento da dívida, foi feito também um pedido de arresto da residência da família Brittes, impedindo assim que o imóvel eventualmente seja vendido.

Defesa

Em nota, a defesa de Edison Brittes informou que ainda não foi notificada da decisão liminar oficialmente. “No entanto, ressalta que uma liminar é uma situação precária e provisória que pode ser revertida a qualquer momento com a devida argumentação dos fatos”, diz o advogado Claudio Dalledone.

Caso Daniel

O jogador Daniel Corrêa Freitas foi encontrado morto na manhã de 27 de outubro, na zona rural de São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. Ex meia de Coritiba e São Paulo, ele atualmente atuava no São Bento, time da série B do Campeonato Brasileiro. De acordo com a polícia, foi assassinado após participar da festa de aniversário de 18 anos de Allana em uma boate de Curitiba. Depois da comemoração, alguns convidados seguiram para a casa da garota, incluindo Daniel, em São José dos Pinhais.

Na residência, o pai da menina, Edison, iniciou uma sessão de espancamento contra Daniel após ter visto o jogador em seu quarto, onde sua mulher Cristiana Brittes dormia. O atleta apanhou de vários homens até ser levado de carro por Edison, David, Eduardo e Ygor até a Colônia Mergulhão.