Saúde

Irmãos com deficiência intelectual recebem atendimento especializado

Cianorte - Núcleo de Educação

 

Dois meninos, irmãos gêmeos, que apresentam quadro de deficiência intelectual estão recebendo atendimento especializado na Escola João Paulo I –  Educação Infantil, Ensino Fundamental, EJA Fase I, na modalidade Educação Especial.

O histórico de atendimento dos irmãos, atualmente com 10 anos, na referida instituição especializada em Educação Especial, começou em 1º de outubro de 2008, quando eles, na época com cinco anos, chegaram à escola e já receberam toda a assistência necessária.

Entretanto, o atendimento aos irmãos foi interrompido no dia 15 de março, quando a mãe dos menores solicitou transferência para o município de Sertanópolis. “Para garantir o bem estar das crianças, a mãe levou a medicação para o mês de março e uma receita médica do psiquiatra, garantindo a medicação para o mês de abril, para evitar que a medicação fosse suspensa, caso os irmãos não conseguissem o devido atendimento psiquiátrico no primeiro mês em Sertanópolis”, informou a Assistente Social da Escola João Paulo I, Solange Fátima Vicente Nardo.

Por não se adaptar ao novo município, a família retornou para Cianorte, onde foram recebidos de volta pela Escola João Paulo I, no dia 29 de maio. Entretanto, a mãe dos gêmeos não trouxe de Sertanópolis os documentos necessários para a matrícula, que só foram encaminhados posteriormente.

“Nós sempre tivemos vagas para atender aos gêmeos, mas não podemos atendê-los como ouvintes e nem matriculá-los enquanto não fosse expedida a transferência deles por parte da outra escola”, explicou a diretora da Escola João Paulo I, Maria Regina Rocco Peroco, que ainda completou: “Assim que recebemos a documentação e a mãe nos procurou, efetuamos a matrícula e os meninos voltaram a receber o mesmo atendimento de antes”.

 

ASSISTÊNCIA TOTAL

Os gêmeos não possuem diagnóstico fechado, mas por apresentarem comportamento que semelhante ao autismo, são atendidos individualmente por uma professora especializada nesses casos. Os dois meninos também recebem atendimento psicológico, acompanhamento fonoaudiológico e psiquiátrico.