Economia

Gás de cozinha tem novo aumento

Alta nas distribuidoras chega a 1,4%; revendas ainda estudam se valor será repassado ao consumidor final
Aumento pode chegar ao consumidor final dependendo do revendedor. (Foto: MÔNICA CHAGAS / TRIBUNA)

A Petrobras anunciou mais um reajuste no preço do botijão de gás de 13 quilos nas refinarias. O novo preço médio do produto, segundo a empresa, é de R$ 25,33. O aumento, que passou a vigorar nesta terça-feira (5), é o quarto consecutivo e vai representar uma alta de 0,5% a 1,4% para as distribuidoras, dependendo do local. De acordo com o Sindicato Nacional das Indústrias Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás), não há como estimar se o aumento chegará ao consumidor final, pois a definição de preços pelos revendedores é livre.

Em Cianorte, o preço médio do botijão de gás doméstico é de R$ 68,32, segundo o último levantamento da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), realizado na semana passada. Entre os dias 27 de janeiro e 2 de fevereiro, o preço máximo era R$ 75 e o mínimo R$ 64,90 nos estabelecimentos pesquisados. A maioria das revendas manteve os valores e ainda não sabe informar se vai repassar o reajuste aos consumidores.

Desde o final do ano passado, essas empresas estão praticando preços abaixo do valor de mercado para competir com o vale gás vendido pelos mercados, que está entre R$ 55 e R$ 60.

Para não perder a clientela, algumas revendas apostam em promoções. A Ciagás, por exemplo, está vendendo o botijão de 13 quilos a R$ 60 no dinheiro e vai manter o valor até o final do mês e a Guanabara Gás continua cobrando R$ 64,90 pelo botijão.

Segundo a Petrobras, o preço do botijão na refinaria corresponde a 37% do custo para o consumidor final. A composição de preços ainda tem ICMS (Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços), PIS/ Pasep e Confins. A participação da distribuição e da revenda corresponde a 44% do valor cobrado. (Com informações Folha de S. Paulo)