Economia

Flores artificiais ganham a preferência dos consumidores para o Dia de Finados

Preço e exigências para o combate à dengue incentivam clientes a evitarem flores naturais
Lojas de variedades deixam as flores em destaque nesta época do ano (Foto: MÔNICA CHAGAS / TRIBUNA)

O Dia de Finados, celebrado na próxima sexta-feira (2), costuma aquecer o mercado de flores. Este ano, as floriculturas estimam um aumento de 20% a 30% nas vendas, mas perdem espaço para mercados e lojas de variedades que oferecem artigos artificiais. Nesses estabelecimentos, o faturamento deve aumentar até 60% na data. 

Para o gerente da Giga, Elvis Aparecido da Silva, o preço e os cuidados com a dengue contribuem para que a procura pelas flores artificiais aumente ainda mais. “Além dos itens avulsos também oferecemos vasos prontos no padrão que a Prefeitura exige. Desde sábado já tivemos um aumento considerável no movimento da loja e esperamos que cresça ainda mais até amanhã”, afirma.

A florista Goretti Ueno, da Floricultura Ciaflores, observa que o comércio mudou nos últimos anos para o Dia de Finados. “Antigamente chegávamos a encomendar até 800 vasos e hoje pedimos cerca de 50, porque os clientes comprar mais barato nos supermercados. Com isso, apostamos nos arranjos mais elaborados, com flores mais caras e exóticas. Já faz tempo que as floriculturas perderam a vez em Finados, agora esperamos outras datas como Dia das Mães e Dia dos Namorados para recuperar as vendas”, disse.

Os cianortenses também aproveitaram a proximidade do feriado para garantir os itens na Expoflor, realizada juntamente com a Semana Cultural. De acordo com Nilza Luizetto, do Lions Clube Cianorte Sem Fronteira, muita gente procurou flores com esta finalidade, principalmente nos últimos dias de feira.

Para o Dia de Finados, a Prefeitura recomenda que os visitantes tomem providências para evitar a proliferação do mosquito Aedes aegypti no cemitério. Entre as ações estão: vedação de buracos nos túmulos; eliminação de recipientes capazes de acumular água; preferência por flores plantadas; utilização de vasos com furos na base e sem pratinhos e descarte correto do lixo, como sacos plásticos, restos de cera, embalagens, entre outros.