Polícia

Filhotes do Canil da 5ª CIPM são transferidos

Cães da raça Bloodhound vão integrar equipes de quatro canis da PM do estado .
Quatro filhotes foram doados a outros canis e um ficou para reforçar a equipe da 5ª CIPM (Foto: MÔNICA CHAGAS / TRIBUNA)

Os filhotes da cadela Betânia, do Canil da 5ª Companhia Independente de Polícia Militar (5ª CIPM) de Cianorte, foram doados a outras unidades do estado na tarde desta segunda-feira (4). Policiais de Arapongas e Apucarana vieram buscar os cachorros, que estão com 51 dias de vida, para reforçar as equipes com o faro de busca de pessoas, especialidade da raça Bloodhound. Um terceiro filhote foi levado para Maringá e o quarto para Londrina. Uma fêmea ficará na 5ª CIPM.

Betânia tem três anos e trabalha na PM local desde 2015. Depois de um período de três meses parada deve voltar as atividades nas próximas semanas. Ela é especializada na localização de pessoas e já atuou em grandes operações na região. Os filhotes serão treinados para a mesma função, inicialmente com estímulos para barulho e depois com apuração do faro.

O responsável técnico pelo Canil da 7ª CIPM de Arapongas, cabo Paulo José dos Santos, explica que a unidade perdeu um cão da raça com câncer no início deste ano e estava à procura de um novo integrante. “Nosso canil tem uma das estruturas mais modernas do estado, com 10 boxes para cães e um ambulatório veterinário, que atende em parceria com a Unopar. Nossos cães atuam com as polícias Militar e Civil, Corpo de Bombeiros e Guarda Municipal no patrulhamento e faro de entorpecentes e armas”, explica o policial, que também é médico veterinário.

O Canil de Apucarana, do 10° Batalhão de Polícia Militar, vai receber a primeira cadela especializada na localização de pessoas. O soldado André Monaco conta que a unidade tem apenas três anos e é uma das mais novas do Paraná. Responsável por 11 municípios, o Canil tem seis cães e cinco policiais.

Com a filhote Frida, o Canil da 5ª CIPM terá agora cinco animais. Uma nova sede, com mais espaço para treinamento e acomodação, está sendo construída na própria companhia. Os recursos para a obra são resultantes de multas trabalhistas e estão sendo repassados pelo Ministério do Trabalho. Por isso, não há previsão de quando a obra será concluída.