Saúde

Fazer exercícios em calor acima de 30°C requer cuidados; veja quais

O verão tem registrado altas temperaturas desde o ano passado - com recordes de calor em diversas cidades brasileiras. Com temperaturas acima dos 30°C, o exercício físico só deve ser feito se houver atenção a certos cuidados, para que não haja danos irreparáveis à saúde, segundo os especialistas. A temperatura corporal tende a aumentar quando se pratica exercícios físicos, o que aumenta também a quantidade de suor e, consequentemente, o risco de desidratação. Durante o exercício, o organismo, que normalmente fica em 36°C, pode chegar 37,5°C, temperatura semelhante a um estado febril.

Segundo José Luís Zabeu, ortopedista e professor da Faculdade de Medicina da PUC (Pontifícia Universidade Católica) de Campinas, a atividade física feita em qualquer intensidade gera calor, resultante da contração dos músculos do corpo. "Isso explica porque as pessoas suam quando praticam exercícios. E quanto maior o calor do ambiente, mais a temperatura se eleva", diz.

Ao registrar a elevação da temperatura, o corpo aplica uma série de mecanismos para perder calor o mais rápido possível. "Se o corpo chegar aos 41°C, há risco de morte", acrescenta Zabeu.

Por isso, o educador físico José Antônio Souza, conhecido como Zelão, pós-graduado em treinamento esportivo, aconselha a prática de exercícios apenas antes das 10h e depois das 17h. "É preciso ingerir bastante água porque o calor aumenta a sudorese e, consequentemente, a perda de líquido do corpo", afirma Zelão.

Beber água é extremamente importante, segundo os especialistas, pois durante o treinamento, uma pessoa chega a perder entre 2% e 3% do volume de água do corpo, uma redução que acontece de maneira muito brusca, principalmente em dias de calor intenso.

A personal trainer Mariane Herdy afirma que, nessas condições, se o corpo sua muito e não há reposição da água perdida, o rendimento cai, assim como a capacidade de manter a temperatura. "Chamamos esse aquecimento de hipertermia e ele leva à redução do índice de sódio plasmático, ou seja, hiponatremia, o que pode causar problemas à saúde".

Quem se exercita em um dia de calor intenso e não se hidrata corre o risco de passar mal durante a atividade. "Dor de cabeça, tonturas, náuseas são os sintomas mais frequentes", afirma o educador físico Zelão. Segundo ele, nesses casos o uso do isotônico é recomendado. "É uma substância de reposição, não é suco. Precisa ser ingerido com responsabilidade para repor o sódio, o potássio perdidos durante a atividade", explica. O educador físico afirma que o isotônico deve ser ingerido "por goles", enquanto o exercício é feito. "Nas nossas atividades, servimos aos alunos em pequenas quantidades, para evitar que eles bebam muito. A ingestão exagerada pode causar cálculos renais", diz.