Saúde

Estoque de vacinas está garantido na região

Estado emitiu alerta para enfrentamento da doença e intensificou vacinação em todas as Regionais
["Vacinas est\u00e3o dispon\u00edveis nos postos de sa\u00fade de toda a regi\u00e3o."] (Foto: VALDECIR GALOR / SMCS)

Depois da confirmação do primeiro caso de febre amarela em humanos no Paraná, no último dia 29, a Secretaria de Saúde emitiu um alerta epidemiológico a todas as Regionais para “assegurar resposta oportuna e eficaz para o enfrentamento da doença”. Nos municípios da região o estoque está abastecido, com vacinas disponíveis em todos os postos de saúde, como informou a 13ª Regional de Saúde de Cianorte.

A Secretaria Municipal também garantiu que as Unidades Básicas estão abastecidas e que a orientação é vacinar pessoas que tenham entre nove meses e 60 anos incompletos e não possuem o registro da imunização em suas carteirinhas. “Quem não tem o documento e não lembra se tomou a vacina deve procurar os pontos de saúde e quem tem a carteirinha mas não sabe identificar o selo da vacina também pode procurar uma unidade para tirar a dúvida com um profissional especializado”, explicou Heloisa Dantas, chefe da Divisão de Prevenção em Saúde.

Segundo ela, a dose integra o calendário de vacinação do município há anos, por isso grande parte da população já está imunizada. Além disso, a exigência da carteirinha de vacinação atualizada para as matrículas nas escolas contribuiu para a cobertura. A vacina só precisa ser tomada uma vez e garante imunização por toda a vida.

SITUAÇÃO NO ESTADO

A Secretaria de Estado da Saúde emitiu o primeiro boletim sobre a situação da febre amarela no Paraná na última sexta-feira (1°). Desde julho do ano passado até o final de janeiro deste ano, foram notificados 30 casos suspeitos da doença. Um deles foi confirmado em Antonina, no Litoral, mas o local provável de infecção do vírus deve ser Guaraqueçaba, para onde o rapaz infectado havia viajado. Ele foi internado em Paranaguá. Outros nove casos estão sob investigação e os demais foram descartados.

Estratégias de intensificação da vacinação vêm sendo realizadas em todo o Estado do Paraná, com prioridade nessas duas Regionais, bem como a busca ativa seletiva às populações de maior risco, segundo a pasta.

POPULAÇÃO DE PRIMATAS

Um dos principais indícios da presença do vírus da febre amarela é a presença de macacos mortos, pois os animais são mais suscetíveis à doença. Este mês, a Secretaria de Saúde confirmou a existência do vírus em alguns espécimes que foram encontrados mortos em Antonina. Desde então, o órgão tem monitorado as Unidades de Conservação Estaduais do Litoral e os locais estão fechados para visitação.

Os macacos não transmitem a doença, mas sinalizam a existência do mosquito com o vírus. Em áreas de mata, ele é transmitido pelos mosquitos haemagogus e sabethes, que vivem nas copas das árvores e preferem o sangue dos macacos. Mas quando esses animais são mortos, as fêmeas vão em busca de sangue humano.

Em Cianorte, o Parque Cinturão Verde abriga uma população de aproximadamente 350 macacos-prego. Não há nenhum indício da presença do vírus na região, mas a Secretaria de Saúde pede que a Vigilância Sanitária caso alguém encontre um animal morto.

No ano passado, a Secretaria Municipal do Meio Ambiente emitiu um alerta à população explicando que a presença dos animais não representa nenhuma ameaça. O receio é de que as pessoas passem a agredir, maltratar ou até matar os macacos, como tem acontecido em outras partes do país. Ocorrências do tipo são consideradas crimes ambientais e podem ser denunciadas pelo telefone 3631-6463. (Com Agência Estadual)