Saúde

Com 256 casos, Japurá tem a maior incidência da dengue no Paraná

No Paraná, Secretaria de Saúde já registrou 530 novos casos na última semana
(Foto: AEN)

O boletim da dengue divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) na terça-feira (9) mostra que Japurá é o município que possui a maior incidência da dengue registrada no Paraná. O município que entrou em epidemia há quase um mês, já registrou 256 casos da doença e 482 notificações.

De acordo com o secretário de Saúde Deywid Michel Ferreira, os casos continuam aumentando porque existe um grande número de pessoas que esperam pelo diagnostico da doença. “Os focos do mosquito na cidade já diminuíram bastante. As notificações também estão caindo. O número casos de dengue continua crescendo, existe uma fila de pessoas que já está doente e que aguarda o diagnóstico”, afirma o secretário.

PARANÁ

A Sesa confirmou 530 novos casos de dengue só na última semana no Paraná. O balanço também semana indica um total de 2.553 casos da doença. A incidência da dengue no Estado é de 21,74 casos por 100 mil habitantes. O Ministério da Saúde classifica como baixa incidência quando o número de casos autóctones é menor do que 100 por 100 mil habitantes.

Os municípios com maior incidência de dengue são: Japurá, Francisco Alves, Lupionópolis, Uraí, Santa Mariana, Itambé, Rancho Alegre, Leópolis, Abatiá, Cafeara, Moreira Sales e Santo Antônio do Paraíso. Seguem em risco de epidemia 78 municípios e 117 estão em estado de alerta.

Também foi confirmada uma morte por dengue em Cascavel – uma mulher de 80 anos, portadora de hipertensão arterial e diabetes, que contraiu a doença na cidade onde residia. Agora, são três mortes causadas pela doença no Estado. Os outros dois casos foram registrados em Londrina, em pessoas que moravam no município.

O secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, destaca que a dengue é enfrentada com ações em parceria com os municípios e com apoio de todas as Regionais de Saúde. “Nossa mobilização é permanente, com atividades de orientação de combate ao mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zíka vírus em todas as cidades. Mas, precisamos da ajuda da população para a eliminação de focos, mantendo os quintais e terrenos limpos, sem lixo acumulado e sem recipientes com água parada”, alerta.

A médica veterinária da Secretaria da Saúde, Ivana Belmonte, explica que além da remoção de criadouros, um trabalho mais aprofundado é feito nos municípios. “Diante dos casos notificados, as equipes de Vigilância fazem a busca ativa por focos e criadouros em um raio de nove quarteirões do local de contaminação”.
O Paraná também registrou o primeiro caso autóctone de Zika Vírus, em São José dos Pinhais. Um homem, de 37 anos, contraiu a forma leve da doença e passa bem.