Educação

Colégio de Cianorte vence etapa estadual do Prêmio Professores do Brasil

Projeto de inclusão social do Colégio Igléa Grollmann conquistou o primeiro lugar na categoria Ensino Médio
["As atividades foram interdisciplinares e envolveram toda a equipe pedag\u00f3gica "] (Foto: ARQUIVO PESSOAL)

O projeto "Identidade x Preconceito: as relações interpessoais e o sucesso escolar", realizado pela equipe pedagógica da escola há seis anos, voltou a render frutos para a instituição. A iniciativa ficou em primeiro lugar na categoria Ensino Médio na etapa estadual do 11° Prêmio Professores do Brasil.

Agora, disputa a fase regional, concorrendo com escolas do Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Para isso, a equipe precisa produzir um vídeo relatando as atividades do projeto. Se conseguir uma das três primeiras colocações, o colégio recebe uma premiação em dinheiro, além de troféu e uma viagem. Na etapa nacional, os melhores projetos do país também recebem premiações.

A diretora do Colégio Igléa, Luciana Mara Tachini Barbosa, explica que as atividades inscritas no prêmio foram realizadas com o terceiro ano do ensino médio de 2017 e envolveu todas as disciplinas. “No ensino médio, fazer o básico já é difícil. Temos que lutar contra evasão, repetência e vários outros problemas, e ainda lidar com uma faixa etária complicada de convencer e engajar. Por isso, a conquista do prêmio representa tanto para nós”.

Segundo a professora de educação especial e coordenadora do projeto, Ana Floripes Berbert, a maior satisfação foi perceber o envolvimento dos alunos. “Os protagonistas foram os próprios estudantes, que abraçaram a causa e desenvolveram atividades com toda a escola. Agora vemos os resultados de uma ação que começou lá atrás, quando a turma ainda estava no oitavo ano do ensino fundamental”, conta.

A ideia foi desenvolver práticas pedagógicas visando quebrar paradigmas e visões deturpadas entre os alunos, na tentativa de acabar com bullying e preconceitos em sala de aula. As atividades de cada disciplina foram compiladas pela professora Ana, que produziu um relatório e enviou ao prêmio. Segundo ela, que participou recentemente do 2° Congresso Interamericano de Autismo, a iniciativa é inédita, pois não há registros de resultados em ações práticas dentro de ambiente escolar.

Em 2016, o projeto recebeu o primeiro lugar do Brasil no Prêmio Para Todos de Inclusão Escolar. Segundo a diretora, o desafio e o aprendizado são diários. “Conforme identificamos alunos com transtorno vamos aprendendo a lidar com eles, incentivando a inclusão e combatendo o bullying. É uma coisa a mais que faz a diferença na comunidade escolar”, explica.

PRÊMIO

O Prêmio Professores do Brasil é uma iniciativa do Ministério da Educação com instituições parceiras e busca reconhecer, divulgar e premiar o trabalho de professores de escolas públicas que contribuem para a melhoria dos processos de ensino e aprendizagem desenvolvidos nas salas de aula.

Na etapa estadual os três primeiros colocados em cada categoria recebem certificado e o vencedor, um troféu. Na regional, a premiação é de R$ 7 mil, mais troféu e viagem oferecida pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Na categoria nacional são mais R$ 5 mil e troféu.

Além dessas, os professores podem concorrer em uma das cinco categorias temáticas especiais. A premiação inclui R$ 5 mil para os professores vencedores ou as escolas, viagens e participação na programação da TV Escola. (Com informações MEC)