Polícia

Caso Zanetti completa um ano e acusados ainda aguardam sentença

Não há um prazo para o desfecho do crime, mas o processo tem prioridade na Justiça
Leonardo Zanetti tocava na banda Drês e era conhecia por muitos jovens de Cianorte e região (Foto: CLEVERSON SANTOS )

Um ano depois do crime de latrocínio (roubo seguido de morte) que tirou a vida de Leonardo Zanetti, de 20 anos, quatro envolvidos continuam presos e aguardam diligências finais para que a sentença seja proferida pelo juiz. Um quinto participante continua foragido e tem um mandado de prisão aberto em seu nome. Wellington Oliveira dos Santos, conhecido como “Neguinho Mauá”, seria o responsável por matar o jovem.

Três dos acusados permanecem na 21ª Subdivisão Policial de Cianorte. A quarta pessoa envolvida é uma mulher e está grávida, por isso foi transferida para o Complexo Médico Penal, em Curitiba ainda em 2017.

Os réus já foram ouvidos em audiência e agora a 5ª Promotoria de Justiça do Ministério Público de Cianorte está aguardando algumas diligências solicitadas para fazer as alegações finais. Depois dessa fase, o processo é encaminhado para a defesa e, posteriormente, para o juiz, que dará a sentença dos acusados. Após a decisão, será aberto um período para recursos. Se condenados, os envolvidos podem cumprir pena de até 30 anos.

Segundo a promotora Roberta de Almeida Said Coimbra, não há uma previsão para o julgamento final, mas o processo tem prioridade. “Como se trata de réus que já estão presos, o processo tem prioridade na Justiça. Além disso, por se tratar de um latrocínio, considerado crime contra o patrimônio, os réus não são submetidos a júri popular, o que também pode acelerar a resolução final”, afirmou.

A promotora explica que as circunstâncias do crime exigem detalhamento e atenção da Justiça. “Estamos colhendo todas as informações necessárias e vamos passar o processo adiante o mais rápido possível. Sabemos que toda a população quer o desfecho deste crime”, ressaltou.

Os cinco envolvidos foram denunciados por latrocínio (roubo seguido de morte) e três deles também respondem pelo crime de ocultação de cadáver. O processo do réu foragido está suspenso até que ele seja localizado pela polícia.

*Em agosto de 2017, nossa reportagem produziu uma matéria com as atualizações do crime, mas mencionou seis envolvidos. O correto são cinco envolvidos: quatro presos e um foragido.

ENTENDA O CASO

Leonardo Zanetti desapareceu no dia 13 de fevereiro de 2017, depois de sair de um barzinho no centro da cidade. Ele estava com o carro da empresa de decorações da família e seguia para a casa de uma amiga quando foi abordado e rendido pelos bandidos. De acordo com a Polícia Civil, o jovem foi morto momentos depois do veículo ser roubado. O corpo dele foi encontrado dois dias depois, na zona rural de Cianorte, e o carro foi recuperado pela polícia.

Os envolvidos no crime foram presos pela Polícia Civil de Cianorte e encaminhados à 21ª Subdivisão Policial nos dias que se seguiram. Na época, o delegado Ítalo César Sega explicou o crime de acordo com as declarações dos presos. Segundo ele, a escolha da vítima foi aleatória e não planejada, a ação foi violenta e não houve resistência.

O crime causou muita comoção na cidade, pois Zanetti era muito conhecido entre no meio jovem e envolvido com música. Na época, fazia parte da banda Drês ao lado de outros dois amigos. Logo após o crime, o Conselho de Segurança de Cianorte (Consec) organizou um ato contra a violência que reuniu familiares e amigos, além de pessoas da comunidade.