Cidades

Capitão do Corpo de Bombeiros expõe dificuldades para atender toda a região

Subordinação ao 5° Grupamento de Maringá e efetivo abaixo do previsto são os principais problemas
Solução para melhorar o atendimento é promover a unidade local a subgrupamento independente (Foto: MÔNICA CHAGAS / TRIBUNA)

O comandante do 2° Subgrupamento (SGB) do Corpo de Bombeiros de Cianorte, capitão Cezar Perdoncini, utilizou a tribuna livre da Câmara de Vereadores, na sessão ordinária da última segunda-feira (11), para falar sobre o trabalho da equipe local. Segundo ele, a defasagem de funcionários e a subordinação a Maringá dificultam o atendimento aos 12 municípios da região, que somam uma população aproximada de 176 mil pessoas e uma extensão de 4,3 mil km².

Conforme explicou, “o Subgrupamento de Bombeiros está a 81 km de Maringá, o que dificulta o apoio operacional em ocorrências de grande vulto, como um incêndio de grandes proporções, pois uma carreta com água demora aproximadamente uma hora e vinte para chegar”.

Além disso, algumas cidades atendidas pelo 2° SGB estão a mais de 60 km de Cianorte, como é o caso de Cidade Gaúcha. “Na prática, atendemos apenas ocorrências de maior gravidade nesses municípios e a população acaba sendo prejudicada. Nos casos mais leves os próprios civis levam as vítimas ao atendimento médico, ou seja, existe uma limitação da nossa parte”, disse.

Segundo o comandante, a unidade local possui 30 bombeiros militares no efetivo. O número é ainda menor do que no início das atividades do subgrupamento, em 1989.

Em todo o Paraná, há seis subgrupamentos independentes - Apucarana, Francisco Beltrão, Ivaiporã, Guarapuava, Pato Branco e Umuarama. De acordo com o capitão Perdoncini, Cianorte atende mais ocorrências do que três deles. “Das seis equipes, a que mais atendeu registrou 1.980 ocorrências em 2016. Na comparação com Cianorte, tivemos 1.750 ocorrências, ou seja, uma diferença de apenas 230 ocorrências ao ano, com apenas 30 bombeiros”.

Para o comandante, a solução seria promover a unidade local a subgrupamento independente, como a Polícia Militar. “Mesmo com uma das melhores estruturas do Paraná, falta efetivo militar. Por ser uma companhia independente, Umuarama possui 58 bombeiros, ou seja, praticamente o dobro, para atender 1.920 ocorrências, apenas 10% a mais do que Cianorte”, ressaltou.

BALANÇO

Em 2018, o Corpo de Bombeiros já atendeu 1.248 ocorrências na região, que correspondem a uma média de cinco registros diários. Do total, 500 foram acidentes de trânsito, 380 atendimentos pré-hospitalar, agressões e quedas, e o restante combate a incêndios, buscas e salvamento e atendimentos comunitários.

Bombeiros X SAMU

O trabalho do Corpo de Bombeiros ocorre em parceria com o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). Quando uma das equipes está em ocorrência e não tem viatura disponível entra em contato com a outra para o apoio.

O SAMU é acionado pelo 192 e voltado a atendimentos clínicos, como mal súbito, infarto, suspeita de acidente vascular cerebral, queda de pressão, entre outros. Em acidentes graves, a equipe realiza o atendimento com o médico intervencionista e regulador. O SAMU de Cianorte fica na antiga base do Corpo de Bombeiros, localizada na Rua Curitiba, 1.906.

O Corpo de Bombeiros é acionado pelo 193 e voltado ao atendimento de traumas, como agressões, ferimentos a bala, acidentes de trânsito, queda de nível elevado, entre outros. O 2° SGB fica na Avenida Alan Kardec, 700. (Com Assessoria CMC)