Saúde

Campanha de vacinação contra gripe é estendida até 9 de junho

Prorrogação ocorre por conta das dificuldades para locomoção com a falta de combustível
Campanha foi prorrogada no Paraná em razão da greve dos caminhoneiros (Foto: AEN)

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) anunciou ontem (28) que vai estender a campanha de vacinação contra a gripe por uma semana, em razão das dificuldades de deslocamento devido à escassez de combustível em todo o Paraná. Com a medida, a expectativa é aumentar a taxa de cobertura vacinal, especialmente entre crianças de seis meses a quatro anos e pessoas com doenças crônicas.

A campanha atingiu 76% do público-alvo do estado, estimado em 2,3 milhões de pessoas. Nos municípios da 13ª Regional de Saúde (RS), 82,16% do público-alvo já foi vacinado. Em Cianorte, a cobertura atual é de 80,29%. Os dados locais foram divulgados pela 13ª RS na sexta-feira (25).

O Paraná é o estado com maior cobertura vacinal na região sul do país. Ainda assim, o índice de cobertura vacinal em alguns grupos preocupa. Entre crianças, por exemplo, só 54,5% foram vacinadas. Nas cidades da região, o grupo também apresenta baixa adesão. Em Rondon e Tuneiras do Oeste, apenas 56% do total foi vacinado; em Cianorte, o índice é de 66,93%.

A vacinação entre pessoas com doenças crônicas também está abaixo do esperado no Paraná. Pouco mais da metade das 739 mil doses disponibilizadas para esse grupo foram aplicadas. A superintendente da Vigilância em Saúde, Júlia Cordellini, lembra que das 14 mortes por gripe registradas no estado, 11 eram pessoas a partir de 60 anos com alguma doença crônica. “São pessoas mais frágeis, com menos resistência. Elas precisam se vacinar para terem menor risco de complicações caso tenham contato com o vírus da gripe”, alerta.

IMUNIZAÇÃO

O objetivo da campanha é atingir a cobertura mínima preconizada pelo Ministério da Saúde, de 90% em cada grupo prioritário. Podem tomar a vacina pessoas com 60 anos ou mais, crianças de seis meses a quatro anos de idade, gestantes, puérperas (mulheres em até 45 dias depois do parto), profissionais de saúde, indígenas, população privada de liberdade, funcionários do sistema prisional, professores das instituições públicas e privadas e doentes crônicos.

Entre as doenças e condições clínicas que incluem as pessoas no público-alvo está: diabetes, doenças crônicas respiratórias, renais, cardíacas, hepáticas e neurológicas, transplantados, obesidade grau III, portadores de trissomias (Sídrome de Down, Sídrome de Klinefelter, Síndrome de Wakany, dentre outras) e imunossupressão (comprometimento do sistema imunológico). Essas pessoas devem levar a indicação médica para poder receber a vacina contra a gripe.

De acordo com a 13ª RS, é importante que os pais das crianças que se enquadram na faixa etária e as gestantes se sensibilizem e procurem as Unidades Básicas de Saúde mais próximas. Para receber a imunização, é necessário levar a carteira de vacina e um documento com foto. Segundo o órgão, todos os municípios estão abastecidos com estoques da vacina e não há falta do insumo.