Cidades

Campanha #AMEGuilherme já arrecadou R$ 280 mil

Família de Jussara corre contra o tempo para garantir medicação a bebê de apenas cinco meses
["O beb\u00ea de Jussara intercala sess\u00f5es di\u00e1rias de fisio, fono e hidroterapia "] (Foto: ARQUIVO PESSOAL)

A campanha de arrecadação de dinheiro para custear o tratamento de Guilherme Romagnoli, diagnosticado com atrofia muscular espinhal (AME) tipo 1, arrecadou R$ 280 mil em duas semanas e meia. O valor é alto, mas não garante nem a primeira dose de um total de sete que o bebê precisa tomar para impedir o desenvolvimento da doença. O medicamento, chamado Spinraza, custa R$ 372 mil.

Para conseguir importar as doses necessárias, a família precisa de R$ 2,6 milhões. Segundo a mãe de Guilherme, Cássia Medeiros, é necessário comprar pelo menos quatro doses para começar as aplicações, que precisam ser feitas até o final de março, quando ele completa sete meses. “É uma corrida contra o tempo, porque agora ele está estável, mas a doença avança a cada dia. Já precisamos adquirir um aparelho respiratório e seguimos firmes com as terapias, mas tudo isso também é muito caro. O aluguel mensal do aparelho, por exemplo, é R$ 2 mil.”

Enquanto isso a corrente de pessoas dispostas a ajudar vem crescendo cada vez mais. Pelo menos oito eventos beneficentes, como bingos, bazares, jantares e festas, estão previstos nas próximas semanas em Jussara, Cianorte, e no distrito de Vidigal. A arrecadação de todos eles será destinada ao tratamento do Guilherme. Além disso, alguns grupos estão vendendo rifas em cidades da região para ajudar no montante. Outras ações também estão tomando proporção ainda maior e chegando a outras regiões do estado.

Na última segunda-feira (4), o prefeito de Jussara, Moacir Tatinha, e o vice-prefeito, Robison Pedroso da Silva estiveram em Cascavel, no Show Rural Coopavel, e gravaram um vídeo com o prefeito da cidade, Leonel Paranhos. Além de pedir doações, o gestor anunciou que iria divulgar o caso e abrir um espaço no evento para que os empresários presentes pudessem ajudar.

Para Cássia, a união das pessoas em prol de seu filho é o que dá forças para continuar. “Não sei nem explicar o sentimento que essa corrente nos traz. A gente vê as pessoas abraçando a causa e reúne forças para seguir em frente.”

PROCESSO JUDICIAL

A família entrou na Justiça solicitando que o estado arque com o custo da medicação. De acordo com Cássia, o juiz local já se manifestou favorável e concedeu liminar, mas o estado ainda não apresentou uma resposta.

“Tenho contato com outra mãe que está na luta e no caso dela o estado demorou oito meses para responder. Nós não temos esse tempo, por isso não podemos parar com as arrecadações nem esperar essa resolução”, explicou.

COMO AJUDAR

As doações para o tratamento de Guilherme ser feitas pela arrecadação online ‘AME Guilherme’ no site Vakinha (www.vakinha.com.br/vaquinha/ame-guilherme) ou em depósito bancários nas contas: Banco do Brasil - Agência 0618-1 C/C 33679-3 ou Sicredi - Agência 0718 C/C 88235-1, em nome do pai de Guilherme, André de Almeida Romagnoli - CPF 067.323.359-60.

Para adquirir rifas e ingressos para os eventos programados basta seguir as informações divulgadas no perfil do Instagram @ameguilherme.