Cotidiano

Após tragédia, Chape ganha mais de 13 mil novos sócio-torcedores

Campanha de gremista paranaense nas redes sociais busca incentivar apoio ao time de Santa Catarina

Reprodução
Torcedoras se comovem durante homenagem ao time na Arena do Condá

Desde o acidente aéreo que deixou 71 mortos, entre eles jornalistas e membros da delegação da Associação Chapecoense de Futebol - a Chape - clubes do mundo inteiro têm se solidarizado com a tragédia. O adversário do Verdão do Oeste - como é conhecida a equipe no futebol catarinense – o Atlético Nacional, de Medellín, na Colômbia, pediu para que a Chape seja declarada campeã da Copa Sul-Americana 2016. No Brasil, dirigentes de clubes nacionais pedem que o time da Chapecoense não seja rebaixado por três anos.

Na quarta-feira (30), data em que ocorreria o jogo, torcedores, amigos e familiares das vítimas lotaram os estádios Arena do Condá (Chapecó) e Atanásio Girardot (Medellín), para prestar homenagem à equipe de Santa Catarina. Mas, as manifestações de apoio à Chapecoense não param por ai. Desde o acidente, na segunda-feira (28), até esta quinta-feira, o clube já registrava o cadastro de 13 mil novos sócio-torcedores; um salto de 9 para 22 mil associados.

Logo que a tragédia veio à tona, um jovem de Curitiba iniciou uma campanha despretensiosa em seu próprio Facebook. Jorge Gloss pediu que as pessoas "fizessem mais que um post" de homenagem: se tornassem sócias para ajudar a equipe, que também precisará se recuperar financeiramente. "Você pode fazer mais do que um post pela Chape. Depois da tragédia, o clube vai continuar existindo e vai precisar se reerguer, inclusive para dar apoio e suporte às famílias e outros jogadores", escreveu.

O gremista contou que ficou bastante abalado com o desastre e, por isso, decidiu fazer alguma coisa. "Amanheci com a notícia e fiquei como todo mundo, muito chocado, triste. E comecei a ver muita repercussão nas redes sociais prestando condolências. Era algo que estava mexendo muito com as pessoas e gerando comoção grande. Mas eu fiquei pensando: e depois? Como o clube vai se reerguer? Como as famílias serão indenizadas, de onde vai vir o dinheiro?"

"E aí pensei no sócio-torcedor. Tem planos bem baratos, começava com R$ 16. Aí pensei se todo mundo doar R$ 16, acho que podemos fazer uma diferença." Em pouco tempo, o post se espalhou pela rede social. No momento em que essa reportagem foi publicada, já tinha mais de 4,5 mil curtidas e outros três mil compartilhamentos - uma repercussão que Gloss não esperava.

O site da Chapecoense chegou a sair do ar por causa da enorme quantidade de acessos. Torcedores de clubes de todo o país deixaram de lado qualquer tipo de rivalidade para ajudar a equipe. Segundo Andrei Copetti, integrante do marketing do clube o cadastro de novos sócios não para de crescer. Além disso, outros torcedores sugeriram iniciativas semelhantes, incentivando a compra de produtos como camisas e canecas na loja oficial do clube. (Com informações da BBC Brasil).