Cotidiano

Ampliação de negócio de bijoias conta com o apoio do Banco do Empreendedor

Casal, que trabalhava há três anos revendendo peças de ‘porta em porta’ agora conta com seu próprio ponto de vendas
(Foto: ASCOM PMC)

Foi de um momento de dificuldade que o casal Karla e José Ricardo Lima decidiram montar o negócio próprio. Ela, que trabalhava como modelista, havia perdido o emprego justamente quando descobriu estar grávida. “Fiz freela durante a gestação e enquanto minha filha era recém-nascida. Decidi retornar para o mercado de trabalho e tive muita dificuldade. Eu precisava fazer alguma coisa. Inicialmente optei por customizar roupas em casa, mas não gostei. E com aquelas pedras que haviam sobrado, vi que era possível fazer uns brincos legais”, conta Karla.

Foi então que começou o negócio de bijoias, bijuterias com maior durabilidade. Com um investimento inicial de R$800, o casal decidiu encarar o desafio. “Desde o começo sempre trabalhamos juntos. Ela fabricava as peças e eu saia vender para as mulheres no varejo. Para nós a atividade sempre foi algo muito sério, enxergávamos nela a oportunidade de ganharmos dinheiro”, conta o marido, que desde o começo buscou a formalização da atividade, atuando como microempreendedor individual, e a inovação, tendo como principal vitrine dos produtos as redes sociais.

Com o aumento da procura pelas peças e acessórios classificados pelos dois como do estilo hippie chique, ideal para montar um look moderno e diferente, o casal viu a necessidade da expansão. “Existia uma procura muito grande das clientes através das redes sociais para conhecerem as peças, mas talvez por vergonha, elas não queriam vir até a nossa casa e nem que fôssemos até elas. Foi então que decidimos que o melhor a fazer seria criar um ponto para atendermos essa clientela e as outras pessoas que ainda não alcançávamos”, relembra Karla.

Para montar o Atelier no centro da cidade, o casal buscou a ajuda do Banco do Empreendedor. “Conhecemos o sistema de crédito através de uma fornecedora nossa que já estava utilizando o financiamento pela segunda vez, por conta da facilidade e das baixas taxas de juros [...].O Fomento Paraná veio para nos auxiliar, porque o que tínhamos não era suficiente, precisávamos de um pouco mais”, relata Karla. Para a reforma no imóvel e a compra dos móveis, contaram com o empréstimo de R$ 20 mil, somados a recursos próprios que possuíam. “Ficou tudo do nosso gosto”, completa.

“A conquista do financiamento foi muito simples e rápida. Eles nos procuraram e em pouco tempo já deram início às obras”, comenta a agente de crédito do Banco do Empreendedor de Cianorte, Sandra Costa. Ela explica que diferentes setores podem ter acesso a oportunidade. “Assim como esta atividade, diversas outras também se enquadram no programa, dentre elas empresas de limpeza, bares e lanchonetes, artesanatos, vendedoras de roupas, apicultores, azulejistas, construção civil, metalúrgicas, borracharias, confeitarias, entre outras”, informa.

O negócio de bijoias se manteve no formato original de fabricação, mas com um novo estilo de comercialização, uma vez que além de atender na loja José manteve as visitas às clientes. “Para o futuro, a gente tem muitas ideias. Por que não nos tornarmos franquia? Quem sabe? Já recebi muitas propostas de clientes pedindo para revender as peças em outras cidades”, explica Karla, que atualmente diz não ter condições de fazer isso por estar sozinha na produção. “Agora queremos estabilizar a loja em um faturamento que estipulamos e partir daí, dar os próximos passos”, conclui.

 

BANCO DO EMPREENDEDOR

Os valores disponíveis para crédito podem chegar a até R$ 20 mil para investimentos fixos (obras, reformas e aquisições de equipamentos) e R$ 6 mil para capital de giro (mercadorias e matéria-prima). Em 2016, mais de 221 empreendedores foram atendidos pelo Banco do Empreendedor de Cianorte. Destes, 131 realizaram os financiamentos que iam de R$ 1 mil a R$20 mil, totalizando R$1.365.886,10, e outros 15 emprestaram de R$20 mil a R$500 mil. No município, o local atende na Agência do Trabalhador, que fica na Avenida Paraná, 510 ou através do telefone 3351-3208.