Polícia

Adolescente morto no sábado é a 9ª vítima de homicídio do ano

Número de assassinatos é 30% maior do que em todo o ano passado; latrocínios também aumentaram
Caso está sendo investigado pela Polícia Civil de Cianorte (Foto: ARQUIVO TRIBUNA)

O adolescente de 15 anos que foi encontrado morto com quatro tiros no último sábado (1°) foi a nona vítima de homicídio desde o início do ano em Cianorte. A Polícia Civil também registrou dois latrocínios (roubo seguido de morte) no município. Os números superam as estatísticas de 2017, quando foram registrados seis homicídios e um latrocínio.

Para o delegado adjunto da 21ª Subdivisão Policial de Cianorte, Carlos Stecca, o crime do fim de semana está ligado ao tráfico de drogas. “Desde sábado estamos em diligências para tentar encontrar os autores do assassinato. A principal hipótese é que o adolescente tenha sido levado para a estrada rural onde foi executado”, afirmou.

O corpo foi encontrado na Estrada Aldeia, próximo à saída para a PR-323. Moradores locais acionaram a polícia, que esteve no local e encontrou quatro cápsulas de calibre 32, utilizadas no crime. O adolescente era morador da Vila Operária e tinha diversas passagens pela polícia, por tráfico de drogas, receptação e furto qualificado.

O caso é semelhante a outros registrados durante o ano, geralmente envolvendo jovens ligados ao tráfico. Um dos homicídios registrados em 2018 ocorreu dentro da carceragem da 21ª SDP.

MUDANÇAS ADMINISTRATIVAS

Há um mês, as carceragens da delegacia de Cianorte e de outras 36 unidades do Estado passaram a ser geridas pelo Departamento Penitenciário do Paraná (Depen). A mudança libera os policiais civis que estão ocupados com a guarda dos presos para que assumam o trabalho de investigação.

O critério usado para definir quais carceragens seriam transferidas administrativamente foi o número de presos. Em Cianorte, aproximadamente 200 pessoas estão detidas. De acordo com o delegado Stecca, a medida era uma reivindicação antiga da Polícia Civil, que ainda está atuando com os presos no período de transição.

Ainda segundo ele, já existem obras programadas para isolar o prédio da carceragem da Subdivisão Policial. O próximo passo será a contratação de agentes e a instalação da Delegacia Cidadã, além da transferência dos presos para penitenciárias.

Atualmente, 9 mil presos estão detidos em carceragens da Polícia Civil do Paraná; destes, 6,1 mil devem passar para a gestão do Depen. A mudança libera 1,1 mil policiais civis para o trabalho de investigação. Outras 21 mil estão presas em penitenciárias do estado. As informações são da Secretaria de Estado da Segurança Pública e Administração Penitenciária do Paraná. (Com informações G1)