Saúde

Acupuntura é alternativa para males do corpo e da mente

Fisioterapeuta João Paulo Leal conta os benefícios da técnica.
["Mapa auricular mostra rela\u00e7\u00e3o entre pontos energ\u00e9ticos e \u00f3rg\u00e3os do corpo humano","",""] (Foto: MÔNICA CHAGAS / TRIBUNA)

Muito conhecida no Brasil e no mundo como a técnica que utiliza agulhas, a acupuntura ainda é carregada de mitos e preconceitos. Desenvolvido na China há mais de cinco mil anos, o tratamento consiste em proporcionar um reequilíbrio energético do corpo e atuar nas mais diversas patologias, além de prevenir enfermidades.

O fisioterapeuta João Paulo Leal buscou aprimoramento na área e atua como acupunturista formado pela Associação Brasileira de Acupuntura (ABA). Ele explica que a medicina tradicional chinesa busca estimular pontos do corpo, por meio de agulhas, bastões e compressão, para regular o equilíbrio energético e fisiológico.

“O interessante da acupuntura é que ela não tem restrição. Qualquer pessoa pode ser atendida, desde crianças até idosos e também gestantes, e qualquer patologia pode ser beneficiada pelo tratamento. Muita gente procura a acupuntura para tratar depressão ou ansiedade, por exemplo. Pacientes com dores em locais específicos também costumam ser encaminhados”, esclarece.

O acupunturista aponta que a visão ocidental de saúde é totalmente diferente da oriental, ligada à medicina chinesa. Para os chineses, o foco é na prevenção, não deixar a doença evoluir. No Ocidente, a preocupação maior é com o tratamento, ou seja, depois que a doença se instala. 

“Essa é uma questão que precisamos mudar. Assim como precisamos combater os mitos ainda existentes em relação à acupuntura. Por exemplo, a técnica utiliza só agulhas e dói. Os equipamentos usados, no caso as agulhas, não são as mesmas de injeção, chegam a ser 10 vezes mais finas, e assim, não causam dor quando bem posicionadas.”

Já aprovada pelo Ministério da Saúde, a acupuntura foi recentemente incorporada aos tratamentos do Sistema Único de Saúde (SUS) e vem sendo indicada pelos mais diversos profissionais, como médicos e psicólogos.

Antes de iniciar o tratamento, os pacientes passam por uma avaliação e têm a oportunidade de conhecer as especificidades do método. Segundo Leal, são necessárias, no mínimo, cinco sessões para o reequilíbrio de energias do corpo, mas a quantidade varia de acordo com o objetivo. A continuidade é importante para a eficácia do tratamento.

As sessões de acupuntura são realizadas uma vez por semana e duram, em média, 45 minutos. Em alguns casos, os pacientes ficam com agulhas específicas por um intervalo de tempo, geralmente posicionadas na orelha. Leal explica que cada região da orelha estimula determinado órgão, especificado no mapa auricular.

“É importante estar atento para não cair em certos boatos, como a colocação de piercing para o alívio da enxaqueca. A estimulação de um ponto por um longo período de tempo pode ajudar na patologia, mas perde o efeito a longo prazo. O local do furo para a colocação de brincos, por exemplo, está relacionado aos olhos. Se levássemos à risca, todas as pessoas que usam brincos a vida toda não deveriam ter problemas na visão”, alerta.

SERVIÇO

João Paulo Leal atende de segunda e quarta, das 13h30 às 19h30, na Clínica de Fisioterapia Orto Fisio, em Cianorte. Avaliações e horários com o acupunturista podem ser agendados pelo telefone (44) 3018-2391.