Economia

Comerciantes estão otimistas para o Dia dos Namorados

Mesmo com queda nas intenções de compra, vendedores têm boas expectativas para a data comemorativa
Lojistas apostam na criatividade para alavancar as vendas depois de um ano de crise (Foto: Mônica Chagas / Tribuna )

Uma sondagem realizada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio-PR) mostra que 54,6% dos paranaenses tem a intenção de presentear neste Dia dos Namorados, comemorado na próxima segunda-feira (12). Em comparação ao ano passado, houve redução de 3,3 %. A principal justificativa de quem namora e não vai presentear o (a) parceiro (a) é a falta de condições financeiras.

A pesquisa também mostrou que o valor dos presentes deve cair consideravelmente. Neste ano, o preço médio será de R$88,00. Em 2016, a média era de R$121,25. Os artigos mais procurados são roupas, calçados e perfumes. Boa parte dos casais também deve gastar com um jantar especial para comemorar a data.

Em Cianorte, os lojistas contam com a chegada do frio no final de semana para alavancar as vendas. Neste sábado (10), o comércio ficará aberto das 8 às 17 horas. A gerente de uma loja de roupas, Teresa Elisa Alves, observa que o movimento já melhorou em junho e torce para que o frio atraia os compradores no sábado. “Se fizer frio esse mês acredito que será bem melhor do que maio, que não foi tão bom quanto esperávamos, mesmo com o Dia das Mães”, afirmou Teresa.

 De acordo com a gerente de uma perfumaria, Cleide Martinez, praticamente todos os clientes procuram promoções e combos. “No Dia das Mães houve um boom na sexta e no sábado, véspera da data comemorativa. Para o Dia dos Namorados, o movimento está bem menor que o do ano passado, mas também estamos esperançosos para as vendas da véspera”, disse Cleide.

BRASIL

O Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) estimam que 92 milhões de brasileiros devem ir às compras. Última data comemorativa do primeiro semestre, o Dia dos Namorados deste ano deve injetar cerca de R$ 11,5 bilhões na economia do país. Apenas 9% desses consumidores disseram que têm a intenção de gastar mais com os presentes. A maior parte, que corresponde a 32%, planeja gastar a mesma quantia que em 2016, enquanto 24% pensam em diminuir. O pagamento a vista será o meio mais utilizado pelos consumidores, e o gasto médio dos brasileiros deve girar em torno de R$ 124.