E ele Acreditou

Atualizado em: 30/07/2012 - 10:50

comentários

Depois de muita negociação, o corretor Otávio conseguiu vender para Irineu a tão sonhada fazenda em Cruzeiro do Sul, no estado do Acre. Irineu mudou-se querendo colocar suas ideias no lugar, comprando gados da região para fazer negócio. Depois de muita procura, encontrou um pequeno fazendeiro que venderia cem cabeças de gados. A propriedade ficava 8 quilômetros dali de sua fazenda.

Irineu, novo fazendeiro da região, querendo economizar, arrumou um tropeiro de primeira viagem e partiu para viagem tocando a boiada no estilo antigo. Tocando daqui, tocando dali, até que chega na beira de um rio. Como era novato na região, perguntou a um garoto                que pescava ali.

- Ei, garoto. Este rio é fundo? Preciso atravessar minha boiada.

- Não senhor – disse o garoto. – A criação de gado do meu pai passa por aqui. A água bate no peito.

Irineu meteu a boiada no rio para atravessar. De repente virou aquele alvoroço: Boi, vaca, rodando rio a baixo, se afogando; cavalo do tropeiro rodando no rio, naquele maior desespero. E Irineu procurando um barranco para agarrar-se. O tropeiro, naquele maior desespero, consegue sair do rio. Irineu, puto da vida, pega o garoto pelo pescoço chacoalhando a ponto de estrangular.

- Seu moleque vagabudo! Você disse que este rio era raso e que os animais passariam com a água batendo no peito! Você não percebe o que acaba de acontecer?

O guri assustado, tentando se explicar fazendo gestos, diz:

- Moço, eu explico.

- Vai ter que se explicar, moleque irresponsável! Que tipo de animal seu pai cria para atravessar este rio!? 

- Acontece, meu senhor, que meu pai tem patos marrecos e ganso.

Compartilhar esta notícia

Publicidade